Papa envia mensagem à conferência sobre a proteção de menores

O Papa Francisco enviou neste sábado uma mensagem em vídeo à Conferência internacional sobre a proteção de menores e adultos vulneráveis ​​para as Igrejas da Europa Central e Oriental que se realiza na Polônia de 19 a 22 de setembro. Organizado pela Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores e pela Conferência Episcopal da Polônia, o encontro contará com a participação de representantes de episcopados, ordens religiosas e profissionais leigos de 20 países

Vatican Media

A crise dos abusos sexuais perpetrados por membros da Igreja é um “transtorno muito grave” para a qual se buscam respostas adequadas a partir da escuta humilde das vítimas, da procura da verdade e do pedido de perdão.

O Papa retoma deste compromisso e do caminho que dele derivou por anos, a mensagem que dirige neste sábado àqueles que se preparam para participar, de 19 a 22 de setembro, em Varsóvia, da Conferência Internacional sobre a Proteção dos Menores e de Adultos Vulneráveis ​​para as Igrejas da Europa Central e Oriental. A mensagem em vídeo será apresentada na abertura dos trabalhos.

Organizada pela Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores e pela Conferência Episcopal polonesa, o encontro reunirá bispos, sacerdotes, superiores de congregações religiosas masculinas e femininas, psicoterapeutas e especialistas leigos para discutir o tema “Nossa missão comum de proteger os filhos de Deus.”

Somente a verdade e o perdão restabelecem a confiança

Vocês não são os primeiros a dar “esses passos necessários” e é “improvável” que sejam os últimos “nestes tempos difíceis”, mas certamente “vocês não estarão sozinhos”. Ao assegurar sua proximidade aos trabalhos que terão início neste domingo, 19, o Papa reitera a prioridade no caminho de reação à chaga dos abusos, que já havia emergido em Roma na Cúpula dos líderes das Conferências Episcopais do mundo em fevereiro de 2019.

Francisco cita o discurso de dois anos atrás e o encorajamento então expressado de que “o bem das vítimas” não seja colocado de lado em favor de uma equivocada preocupação pela reputação da Igreja como instituição. Pelo contrário – diz hoje o Papa – só enfrentando a verdade destes comportamentos cruéis e buscando humildemente o perdão das vítimas e sobreviventes, a Igreja poderá encontrar o seu caminho para ser novamente considerada com confiança um lugar de acolhimento e segurança para os necessitados”.

Uma reforma concreta que ouça o apelo das vítimas

O abuso de menores nos círculos eclesiásticos em todo o mundo lançou uma sombra sobre a coerência e a sinceridade da Igreja, e para recuperar isso são necessárias expressões de contrição que se transformem em um “caminho de reforma” em termos de prevenção e de certeza de uma mudança real e confiável”. Neste sentido, o reiterado apelo à Conferência de Varsóvia.

Encorajo-vos a ouvir o apelo das vítimas e a comprometer-vos – uns com os outros e com a sociedade no sentido mais amplo – nestas importantes discussões, pois realmente dizem respeito ao futuro da Igreja na Europa Central e Oriental, não somente o futuro da Igreja, também o coração do cristão, dizem respeito à nossa responsabilidade.

Erros e fracassos podem abrir novos horizontes

O que aconteceu certamente representa um erro e um fracasso, mas não só. Na mensagem em vídeo, o Papa destaca que “reconhecer nossos erros e nossos fracassos pode nos fazer sentir vulneráveis ​​e frágeis, é certo. Mas também pode representar um tempo de graça esplêndida, um tempo de esvaziamento, que abre novos horizontes de amor e serviço mútuo.”

Ser humildes instrumentos do Senhor

Se reconhecermos nossos erros, não teremos nada a temer, porque será o próprio Senhor quem nos terá conduzido até aquele ponto.

Por fim, citando a frase de Abraham Lincoln, décimo sexto presidente dos Estados Unidos da América – ‘Sem malícia para com ninguém e com caridade para com todos -, o Papa indica a atitude com a qual trabalhar juntos, bispos, religiosos, leigos e vítimas para enfrentar os “desafios comuns”:

Exorto-vos a serem humildes instrumentos do Senhor, a serviço das vítimas de abusos, vendo-as como companheiras e protagonistas de um futuro comum, aprendendo uns com os outros a se tornar mais fiéis e resilientes para que, juntos, possamos enfrentar os desafios futuros. 

(Com informações de Vatican News)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter