Papa: os túmulos das vítimas de guerra clamam por paz

Antes da celebração eucarística no Cemitério Militar Francês de Roma, Francisco se deteve em oração diante de alguns túmulos, sobre os quais depositou rosas brancas

Papa: os túmulos das vítimas de guerra clamam por paz
Fonte: Vatican Media

Por todos os mortos, em especial pelas vítimas da guerra e da violência: o Papa Francisco já havia anunciado a sua intenção de oração neste Dia de Finados, 2 de novembro. E assim foi. O Pontífice deixou o Vaticano para a celebrar a missa no Cemitério Militar Francês de Roma.

Antes da celebração eucarística, Francisco se deteve em oração diante de alguns túmulos, sobre os quais depositou rosas brancas.

Já na homilia, ele se concentrou sobre dois aspectos: o nosso estar em caminho e a necessidade de paz.

Missa no Dia de Finados

“Todos nós estamos em caminho, se quisermos fazer algo na vida”, disse o Papa. Não se trata de um passeio nem de circular por um labirinto. Neste caminhar, passamos diante de fatos históricos, diante de tantas situações difíceis e diante dos cemitérios. E Francisco aconselhou: você que passa, pare o passo e pense em seus passos. Todos nós daremos o último passo. Não se trata de ser trágico, mas é a realidade. “O importante é que o último passo seja em caminho. Estar a caminho para que o último passo seja caminhando.”

No coração de Deus está o nome de todos nós

O segundo aspecto é representado pelos túmulos. No caso do cemitério francês, as pessoas ali enterradas morreram na guerra. “Morreram porque foram chamados a defender a pátria, os valores, os ideais e muitas vezes defender situações políticas tristes e lamentáveis. São as vítimas da guerra, que consome os filhos da pátria.”

O Papa citou algumas localidades da Itália e da França onde houve combates e mortes durante as Guerras: Anzio, Redipuglia, Piave, Normandia.

Diante de um túmulo, acrescentou, não havia nem mesmo o nome do soldado. Mas “no coração de Deus está o nome de todos nós”.

“Esta é a tragédia da guerra. Estou certo de que todos os foram chamados pela pátria a defendê-la estão com o Senhor.”

Mas para o Papa, o importante agora é estar a caminho lutando suficientemente para que não haja guerras, para que não existam as economias dos países fortificadas pela indústria das armas. Assim, a pregação é olhar os túmulos. “Alguns têm nome, outros não. Estes túmulos são uma mensagem de paz.” Uma mensagem para que os fabricantes de armas deixem de produzi-las.

“Deixo esses dois pensamentos. Você que passa, pense em seus passos e no último passo: que seja em paz. O segundo pensamento: estes túmulos que clamam, gritam ‘paz’.”

Fonte: Vatican News

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter