COVID-19: média de mortes no Brasil atinge menor nível desde fevereiro

Total de casos caiu para 38.206, o mais baixo desde janeiro. Medidas de prevenção ao contágio, porém, precisam ser mantidas por todos, estejam ou não vacinados

Agência Brasil

O número de mortes diárias por COVID-19 no país, segundo a média móvel de sete dias, divulgada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, chegou na terça-feira, 20, a 1.192. Esse é o menor patamar desde 27 de fevereiro, quando houve uma média de 1.178 óbitos.

De acordo com os dados da Fiocruz, as mortes também registraram quedas de 23,5% em relação a duas semanas antes e de 42,2% na comparação com um mês atrás.

Esse valor está abaixo da metade do pico da pandemia anotado em 12 de abril deste ano, quando os óbitos diários atingiram 3.124. Apesar disso, ainda se encontra acima do número mais alto observado em 2020 (1.097 em 25 de julho daquele ano).

Por isso, continua a ser indispensável a manutenção de hábitos que previnam a infecção com o coronavírus: uso de máscara, higienização frequente das mãos e evitar a participação em aglomerações.

LEIA TAMBÉM

Máscara: uma aliada, se bem ajustada e higienizada

Casos

O número de casos, também segundo a média móvel de sete dias, chegou a 38.206 ontem, o menor nível desde 6 de janeiro (36.376). Foram observados recuos de 21,7% em relação a 14 dias antes e 48,1% na comparação com um mês atrás.

A média móvel de sete dias é calculada pela Fiocruz através da soma dos registros do dia em questão com os seis dias anteriores e da divisão do resultado por sete.

Ritmo de vacinação

De acordo com levantamentos de veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de Saúde, até às 20h da terça-feira, 20, um total de 91.085.085 pessoas que já receberam a 1a dose da vacina contra a COVID-19, o que representa 43,01% da população brasileira

Já a 2a dose ou dose única foi aplicada em 34.913.375 pessoas (16,49% da população), num total de mais de 125.999.012 doses aplicadas em todos os estados e no Distrito Federal.

A imunização em São Paulo

Até às 20h da terça-feira, 20, um total 23.856.487 pessoas já tinham recebido a 1a dose da vacina contra a COVID-19 no estado de São Paulo. Já a 2a dose foi aplicada em 7.493.838 pessoas e a dose única foi aplicada em 1.028.844 pessoas.

Quem tem 32 anos e mora na cidade de São Paulo pode ir a um dos pontos de vacinação da capital nesta quarta-feira, 21, para receber a primeira dose da vacina contra a covid-19. O público estimado é de 147.223 pessoas.

Os munícipes podem procurar as 468 Unidades Básicas de Saúde (UBSs), as AMAs/UBS Integradas, os 17 SAEs (Serviços de Atenção Especializada), os 20 megapostos com acesso a pedestres, os mais de 130 postos volantes, a rede de farmácias parceiras e os 21 postos que operam exclusivamente em sistema drive-thru.

Acesse a lista completa de endereços dos postos de vacinação

Preparativos para Vacinação

Para garantir as doses à população do município de São Paulo, é obrigatório o cidadão apresentar no ato da vacinação um comprovante de residência (físico ou digital) na capital, juntamente com os documentos pessoais, preferencialmente Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e cartão do Sistema Único de Saúde (SUS).

O preenchimento do pré-cadastro no site Vacina Já agiliza o tempo de atendimento nos postos de vacinação. Basta inserir dados como nome completo, CPF, endereço, telefone e data de nascimento.

A vacinação continua para os grupos com as seguintes comorbidades:

– Insuficiência cardíaca
– Cor-pulmonale e hipertensão pulmon
– Cardiopatia hipertensiva
– Síndrome coronariana
– Valvopatias
– Miocardiopatias e pericardiopatias
– Doença da aorta, dos grandes vasos e fístolas arteriovenosas
– Arritmias cardíacas
– Cardiopatias congênitas no adulto
– Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados
– Diabete mellitus
– Pneumopatias crônicas graves
– Hipertensão arterial resistente
– Hipertensão arterial estágio 3
– Hipertensão estágios 1 e 2 com lesão de órgãos alvos
– Doença cerebrovascular
– Doença renal crônica
– Imunossuprimidos
– Anemia falciforme
– Obesidade mórbida’

(Com informações de Agência Brasil e Prefeitura de SP) 

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter