Não era preciso que tudo isso acontecesse?

Os quatro evangelhos apresentam relatos do encontro dos discípulos com Jesus Ressuscitado. Embora esses relatos apresentem algumas diferenças, todos indicam que tais encontros foram fundamentais para a confirmação da fé no Ressuscitado e para a missão de anunciá-lo a todo o mundo. Um dos relatos é aquele que conta a história dos discípulos que caminhavam para Emaús, um povoado que ficava a alguns quilômetros de Jerusalém, e aconteceu no mesmo dia da ressurreição do Senhor.

O evangelista Lucas relata que dois discípulos caminhavam e conversavam entre si, indo na direção do povoado de Emaús. Tinham o rosto sombrio, certamente marcado pela decepção e pela incompreensão dos fatos. Enquanto caminhavam, aproximou-se deles alguém que parecia desinformado sobre os acontecimentos recentes que haviam ocorrido em Jerusalém. Esse encontro foi o princípio de um diálogo proveitoso, em que aquele desconhecido foi explicando e iluminando as Escrituras e aquelas passagens relacionadas a Jesus.

O diálogo fora fecundo, mas o caminho acabou e chegaram ao povoado de Emaús. Os discípulos convidaram aquele estranho a ficar com eles e fazer uma refeição. Quando estavam à mesa, aquele desconhecido tomou o pão e o partiu. Atitude estranha, pois quem reparte o pão é o dono da casa e não o convidado. O gesto recorda a Eucaristia, e foi o momento em que os dois discípulos reconheceram o Senhor Ressuscitado, que já não estava mais presente fisicamente. Emaús é um caminho de encontro com o Ressuscitado. Será que não estamos diante de um “novo Emaús”?

Os acontecimentos das últimas semanas também são sombrios, cheios de incertezas e tristezas, com muitas perguntas e poucas respostas. No entanto, assim como aconteceu em Emaús, os discípulos de hoje, homens e mulheres de todas as partes do mundo, têm repetido o convite: “Permanece conosco, pois cai a tarde e o dia já declina”. Esse é o tempo de um novo Emaús, de um novo caminho de encontro com o Senhor, que explica a Escritura e que reparte o Pão. Nele repousa nossa esperança, pois Ele é o caminho, a verdade e a vida.

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas colunas

O que são as 15 orações de Santa Brígida?

“Padre, ganhei um livro com 15 orações de Santa Brígida e sete formas de rezar o Pai-Nosso. O senhor conhece estas orações?...

‘Quarentite’: o que é isto?

O sufixo ite, nos termos relacionados à área da Saúde, significa “inflamação, que gera dor e não permite o adequado funcionamento do...

Crucifixos e prédios públicos

O grande assunto do momento, naturalmente, é a pandemia de COVID-19. Isso não impede, no entanto – ou ao menos não deveria...

‘Manso e humilde de coração’

14º DOMINGO DO TEMPO COMUM 5 DE JULHO DE 2020 Antes de sua conversão, Santo Agostinho – homem erudito...

Newsletter