Confira nossa versão impressa

A Vinha do Senhor

27º DOMINGO DO TEMPO COMUM 4 DE OUTUBRO DE 2020

Cristo propõe aos chefes dos sacerdotes e anciãos outra parábola sobre a “Vinha”. Citando a profecia de Isaías (Is 5,1-7), compara o povo de Deus a uma vinha pacientemente plantada, cultivada, protegida e vigiada pelo Senhor. Nela são estabelecidos vinhateiros – líderes religiosos –, encarregados de recolher os frutos até a chegada do Dono.

No momento de entregar os resultados do cultivo, contudo, esses arrendatários espancaram, apedrejaram e mataram os muitos “empregados” – os profetas – que o Senhor lhes enviara. Por fim, o Senhor mandou à Vinha seu próprio filho, Nosso Senhor Jesus Cristo. Vendo-O, os vinhateiros disseram as palavras dos irmãos de José do Egito: “Vinde, vamos matá-lo!” (Gn 37,20). Com inveja semelhante à dos filhos de Jacó, pensavam: “Este é o herdeiro. Vamos tomar posse da sua herança!” (Mt 21,38).

Agarraram o filho, jogaram-no para fora da Vinha – além dos muros de Jerusalém, no Calvário – e o mataram. Jesus previa, desse modo, a morte a que seria submetido, motivada pelas intrigas dos seus interlocutores. E lhes perguntou: “Quando o dono da vinha voltar, o que fará com esses vinhateiros?”. Os chefes dos sacerdotes e anciãos, sem ainda perceber que era a eles que a parábola se referia, deram uma resposta profética: “Com certeza, mandará matar de modo violento esses perversos e arrendará a vinha a outros vinhateiros, que lhe entregarão os frutos no tempo certo” (Mt 21,41).

A conclusão do Senhor é aterradora: “O Reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos” (Mt 21,43). Um “povo” – éthnos – significa “um povo de gentios”, pessoas que não pertencem a Israel. Como sabemos, o cultivo da Vinha do Senhor seria entregue a Pedro, aos demais apóstolos e a seus sucessores, e incluiria pessoas de todos os povos, raças e origens. Com a Igreja de Cristo – Novo Israel –, a Vinha divina se estenderia fecunda não apenas do Mediterrâneo ao Jordão, mas por todos os continentes da Terra.

Essa comparação revela que a Igreja é como um organismo vivo a ser cuidadosamente cultivado. Como uma planta, Ela cresce, floresce, atravessa diferentes estágios e estações, mas permanece sempre a mesma. Possui regras vitais de desenvolvimento que devem ser respeitadas e protegidas. Para a Igreja, categorias como “revolução”, “reformulação” e “renovação radical” não funcionam. O seu crescimento é lento e natural, como o de uma plantação ou jardim. Precisa ser podada, regada, protegida… Mantém sempre, todavia, a mesma identidade. Os movimentos e cortes bruscos levam seus ramos infalivelmente à secura, à esterilidade e à morte.

A nós cumpre pedir ao Senhor que proteja a Sua Vinha! Que Ele a guarde cercada com o cinturão verde dos Santos Padres e Doutores. Que os seus vigias – os bispos – avisem, do alto, quando o mal se aproximar. Que o seu lagar permaneça sempre incontaminado. Que não falte a chuva fecunda das graças e bênçãos do Céu. E que todos nós produzamos uvas boas de amor, fé, conversão e obras santas.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Missionários Claretianos comemoram 125 anos de presença no Brasil

Uma missa presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, na Paróquia Imaculado Coração de...

Prefeitura pede que no Dia de Finados cerimônias religiosas em cemitérios ocorram em espaços abertos

Em nota divulgada à imprensa na tarde da segunda-feira, 26, a Prefeitura de São Paulo recomendou que...

‘Acolhamos com fé a semente e o fermento do Reino de Deus’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 27, na capela...

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco

Entre eles estão os arcebispos de Washington (EUA) e de Santiago do Chile Três...

Capela São Camilo de Lellis é a presença da Igreja no Hospital do Mandaqui

O templo localizado no hospital da zona Norte de São Paulo é o último retratado na série especial de reportagens do O...

Newsletter