Confira nossa versão impressa

‘Estás com inveja porque sou bom?’

25º DOMINGO DO TEMPO COMUM 20 DE SETEMBRO DE 2020

Um patrão sai de madrugada a contratar trabalhadores para a sua vinha. Promete-lhes uma moeda por jornada. Mais tarde, volta à praça para chamar novos diaristas às nove, ao meio-dia, às três e, finalmente, às cinco da tarde. Terminado o dia, acerta as contas, começando pelos últimos. Para surpresa geral, paga a cada um a quantia prometida por uma jornada completa.

Os Santos Padres interpretaram o “patrão” como alegoria de Deus Pai, e a “vinha” como símbolo da Igreja. As horas seriam as etapas da aliança de Deus com os homens: a madrugada, o período compreendido entre Adão e Noé; as nove, aquele entre Noé e Abraão; o meio-dia, entre Abraão e Moisés; as três, entre Moisés e Cristo; e as cinco seriam os tempos finais, após a vinda do Salvador. Chegando por último e sem terem se submetido à Lei de Moisés (representada pelo “cansaço e o calor do dia”), os cristãos recebem um mesmo “salário”.

Santo Agostinho, convertido à fé tardiamente, interpretou as diferentes horas como as etapas da vida em que os indivíduos se convertem a Jesus Cristo. Uns O conhecem na infância; outros O descobrem na adolescência; na juventude; na maturidade; e por fim, como o bom ladrão, há quem se converta apenas no momento da morte. Tanto uns quanto outros recebem substancialmente a mesma paga pelo trabalho, isto é, a vida eterna. A primeira leitura de algum modo se adapta a esta interpretação: “Buscai o Senhor, enquanto pode ser achado; invocai-o, enquanto ele está perto. Volte para o Senhor, que terá piedade, volte para nosso Deus, que é generoso no perdão” (Is 55,6s). Enquanto dura esta vida, sempre há tempo para nos convertermos a Deus.

Dando um mesmo pagamento a todos, o senhor da vinha não foi injusto com os trabalhadores da primeira hora. Afinal, ele fora chamá-los na praça; permitira-lhes ocupar o tempo com algo bom; dera-lhes o privilégio de estar com ele e de pertencer à sua vinha; e pagou-lhes com correção o que havia prometido de antemão. Podemos dizer que, enquanto com os primeiros ele foi simplesmente generoso, com os últimos foi supergeneroso! Trata-se, com efeito, de um senhor “bom” e que “faz o que quiser com os seus bens”. Também Deus nos desconcerta com sua supergenerosidade. Por isso, diz: “Meus pensamentos não são como os vossos pensamentos e vossos caminhos não são como os meus caminhos” (Is 55,8).

A bondade inesperada do patrão contrasta com a inveja (literalmente, o “olho mau”) dos trabalhadores do início. Perdendo de vista a oportunidade e os bens que lhes haviam sido concedidos, começaram a, com mesquinhez, comparar-se aos outros. Quando faltam reconhecimento e agradecimento pelos bens recebidos, surge a comparação e a inveja. O invejoso não enxerga o bem existente em sua própria vida e, deste modo, além de ser ingrato, sofre com o bem do próximo! Por isso, precisa aprender a enxergar, com “olhos bons”, os benefícios de Deus e dos homens na sua existência e, continuamente, agradecer!

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Missionários Claretianos comemoram 125 anos de presença no Brasil

Uma missa presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, na Paróquia Imaculado Coração de...

Prefeitura pede que no Dia de Finados cerimônias religiosas em cemitérios ocorram em espaços abertos

Em nota divulgada à imprensa na tarde da segunda-feira, 26, a Prefeitura de São Paulo recomendou que...

‘Acolhamos com fé a semente e o fermento do Reino de Deus’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 27, na capela...

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco

Entre eles estão os arcebispos de Washington (EUA) e de Santiago do Chile Três...

Capela São Camilo de Lellis é a presença da Igreja no Hospital do Mandaqui

O templo localizado no hospital da zona Norte de São Paulo é o último retratado na série especial de reportagens do O...

Newsletter