O ‘traje de festa’

28º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Nosso Senhor compara o Reino dos Céus a um rei que prepara uma festa de casamento a seu filho. Trata-se de um evento não convencional… Como os convidados não quiseram comparecer, as portas foram escancaradas. Para que lugares não ficassem vazios e a abundante comida não se perdesse, “todos” foram convocados para as bodas, tanto os bons quanto os maus. Entretanto, “quando o rei entrou para ver os convidados, observou ali um homem que não estava usando traje de festa” (Mt 22,11). Então, mandou atirá-lo para fora, na escuridão onde “haverá choro e ranger de dentes” (Mt 22,13).

A reprimenda excessivamente dura faz ressoar o sentido profundo da “veste” nas Escrituras. Ela simboliza a semelhança com Deus; a condição de filhos em comunhão com Ele. Em estado deplorável depois do pecado, Adão e Eva se envergonharam do Senhor e se cobriram com folhas de figueira (cf. Gn 3,7). Do endemoninhado de Gerasa se diz que “havia muito tempo que andava sem roupas” (Lc 8,27). Ao contrário, como sinal de predileção, Jacó fez uma túnica adornada para seu filho José (cf. Gn 37,3). O pai do “Filho Pródigo”, ao reencontrá-lo, ordenou aos empregados: “Depressa, trazei a melhor túnica e revesti-o com ela!” (Lc 15,22). E Cristo, o Filho de Deus, usava uma túnica sem costura, da qual foi despojado antes da Crucifixão.

No Batismo, temos o costume de revestir o neófito com uma roupa branca, pois, conforme as palavras de São Paulo, “todos os que fostes batizados vos revestistes de Cristo!” (Gl 3,27). O Apocalipse descreve, no Céu, uma multidão vestida de roupas brancas, alvejada no sangue do Cordeiro (cf. Ap 7,14). Na Confissão, enxaguamos novamente essa “veste” espiritual no sangue de Cristo. Afinal, a Igreja está aberta e convida a todos… Não basta, porém, participar das funções litúrgicas; é preciso também estar com a veste adequada, envolvidos pela graça santificante.

Dar de vestir ao próximo contará como critério no dia do Juízo (cf. Mt 25,36). Os patriarcas Sem e Jafé foram abençoados por cobrirem a nudez de Noé (cf. Gn 9,27), enquanto Canaã foi maldito por vê-la e expô-la aos demais. Além disso, é preciso que, ao nos vestirmos, tenhamos o Senhor – e não somente os homens – diante dos olhos. Segundo Paulo, o cristão se deve vestir com “vestes decentes, enfeitando-se com modéstia e sobriedade, não com cabelos frisados, ouro, pérolas ou vestidos de luxo, mas sim com boas obras” (1Tm 2,9-10)! Temos, sobretudo, de nos “adornar” com a graça e a justiça!

Aliás, as roupas podem falar sobre nosso interior. Não devemos nos preocupar se são caras ou baratas, novas ou antigas, de marca ou não… Todavia, as vestes – ricas ou pobres – podem expressar dignidade, respeito, simplicidade, piedade, bom gosto, alegria, originalidade, disponibilidade de servir… Ou, ao contrário, vaidade, desleixo, ostentação, sensualidade, superficialidade, modismos…

Que nos vistamos para o Senhor, que é quem nos vê a todo instante! E que jamais nos encontremos despojados da graça e das boas obras que vêm de Deus!

Colunas Relacionadas

spot_img

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Assine nossa Newsletter