Confira nossa versão impressa

‘Os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem’

26º DOMINGO DO TEMPO COMUM 27 DE SETEMBRO DE 2020

No templo, Cristo foi interrogado por alguns chefes dos sacerdotes e anciãos que, sem acreditar na sua pregação e na de João Batista, queriam saber com que autoridade realizava tantas obras. Vendo que O colocavam à prova, tendo o coração fechado à verdade, o Senhor os deixou sem resposta e lhes propôs esta parábola.

Um pai pediu a cada um de seus dois filhos: “Vai trabalhar hoje na vinha”. O primeiro respondeu com franqueza: “Não quero”. Mais tarde, porém, sentiu remorso e acabou obedecendo. O segundo respondeu com solicitude e respeito: “Sim, senhor, eu vou”. Contudo, não foi. Sabemos por experiência pessoal a decepção causada por pessoas que dizem “já vou, já vou” e não fazem nada; ou que formulam belas promessas, mas, na hora da necessidade, desaparecem…

A fim de capturar os interlocutores no próprio erro, Jesus perguntou qual dos dois fez a vontade do pai. A resposta óbvia – “o primeiro” – constituía, na boca dos chefes e dos anciãos, uma autocondenação. Esses homens eram ciosos da Lei de Moisés, jactavam-se por pertencer ao povo eleito, ocupavam funções importantes na comunidade de Israel… Agora, porém, que estavam finalmente diante do cumprimento das promessas divinas – na presença do Messias –, recusavam-se a acreditar e a converter-se!

Com belas palavras nos lábios e com costumes “respeitáveis”, cometiam uma impostura irremediável, pois eram incapazes de obedecer. Eram os “senhores” da própria vida! Apesar da aparência de “reverência”, a religião era para eles um ganha-pão, meio de projeção social, mas não um exercício de humildade e obediência. Não à toa, o segundo filho da parábola chama o pai de “senhor”… É um lembrete de que “nem todo aquele que diz ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que pratica a vontade do Pai que está nos Céus” (Mt 7,21). Não é sincera uma religiosidade que não visa ao conhecimento e à prática da vontade de Deus na existência cotidiana.

Para alertar a respeito da contradição de suas vidas, o Senhor profere palavras tão duras quanto verdadeiras: “Os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus”. Não se trata aqui de concessão ao pecado destes últimos. Vendo as obras e a pregação de João e de Jesus, muitos deles haviam acreditado e se convertido sinceramente. É o caso, por exemplo, do publicano Mateus, que se tornaria apóstolo e evangelista. Afinal, “quando um ímpio se arrepende da maldade que praticou e observa o direito e a justiça, conserva a própria vida. Arrependendo-se de todos os seus pecados, com certeza viverá; não morrerá” (Ez 18,27-28).

Os chefes e anciãos, ao contrário, mesmo conhecendo o Precursor e Salvador, “não se arrependeram para crer” (Mt 21,32). Fazendo promessas de fidelidade e levando o nome “Senhor” à boca, não realizaram o mais importante: crer, converter-se e obedecer. Que Deus nos conceda uma piedade sincera, acompanhada do cumprimento dos seus mandamentos e de nossos deveres de estado!

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Indulgência plenária do Dia de Finados poderá ser obtida durante todo o mês de novembro

No dia 2, a Igreja incentiva os fiéis a rezar pelas almas que ainda não chegaram ao Céu, mas estão se purificando...

‘Vivemos para amar a Deus e morremos para ir ao encontro de Cristo’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa na manhã deste sábado, 31,...

Fratelli tutti e as polêmicas considerações sobre o neoliberalismo e o populismo

Fratelli tutti (FT) é uma encíclica social, voltada aos problemas socioeconômicos do mundo atual, regido pela economia de mercado. Nesse sentido, chama...

Rede Vida lança canais com programação educativa gratuita

Desde o dia 1º de outubro, a Rede Vida de Televisão iniciou um projeto que marca as...

Papa impõe o pálio no novo Patriarca latino de Jerusalém

Nomeado Patriarca em 25 de outubro, até então, Dom Pierbattista Pizzaballa, exercia o ofício de Administrador Apostólico do Patriarcado

Newsletter