Confira nossa versão impressa

Solenidade de Todos os Santos

Celebrando Todos os Santos e os Fiéis Defuntos, respectivamente, pedimos a intercessão da Igreja que já triunfa no Céu e oferecemos sufrágios pela Igreja que padece no Purgatório. Ao longo de todo o mês de novembro, rezaremos mais do que de costume pelos mortos e faremos visitas às sepulturas dos familiares falecidos. Neste ano, as indulgências do dia 2 foram estendidas para todo o mês. 

Os cemitérios católicos são abençoados e chamados de “campo santo”, pois recebem corpos que abrigaram o Espírito Santo e se alimentaram do Corpo de Cristo. Ali se cumpre a determinação de Deus aos filhos de Adão: “Ao pó haverás de retornar” (Gn 3,19). Os corpos ungidos no Batismo e na Crisma descansam de suas fadigas enquanto aguardam a ressurreição final. Tendo servido a Deus neste mundo, realizam ainda a última missão: recordar aos vivos que a morte nos chamará em breve. Assim, o túmulo dos antepassados, além de lugar de oração, é um importante ponto de referência para quem continua a peregrinar sobre a terra.

A ausência de certos falecidos ainda dói. A de outros passa mais ou menos inadvertidamente… Basta, porém, uma visita à sepultura ou oração, e se reavivam a saudade e a gratidão. Rezar pelos mortos é um dever de justiça que nos recorda que somos o fruto de uma transmissão longa e ininterrupta de vida e de fé. Além de aliviar as penas das almas do Purgatório, essa prática nos faz ver que, na Igreja, somos apenas a “ponta de um iceberg”. A base – uma multidão numerosíssima – permanece escondida, mas realmente unida a nós.

Referindo-se à “tradição” em geral, G. K. Chesterton a definiu como a “democracia dos mortos”. Uma sociedade se reduziria a um punhado de homens arrogantes e desorientados se simplesmente ignorasse as opiniões da população muito maior – e agora silenciosa – que a precedeu e originou. O mesmo aconteceria com os cristãos se nos esquecêssemos de que aqueles que já não estão fisicamente neste mundo ainda fazem, efetivamente, parte da Igreja! Eles intercedem por nós, e esperam nossas orações e sufrágios. O modo como viveram, a fé que professaram, os costumes e tradições que cultivaram são como bússola que nos orienta. 

Uma sociedade desaparece quando perde a ligação com os antepassados. A fé desaparece quando os cristãos se afastam da Tradição, isto é, daquilo que creram e praticaram em todos os lugares e em todos os tempos os nossos “irmãos mais velhos”. Um dos monumentos mais concretos da Tradição é o “sentido” religioso dos fiéis piedosos – como talvez tenham sido alguns de nossos pais e avós –, bem como a vida dos Santos. Além de intercessores, estes são guias seguros da fé e da moral.  

Antes de aderir a alguma moda ou opinião sobre a religião, deveríamos nos perguntar seriamente: O que São Pio de Pietrelcina diria disso? O que Santa Teresa d’Ávila pensaria? O que afirmaram Santo Tomás ou Santo Agostinho sobre este assunto? Olhando para os membros santos do Corpo, pressentimos o rosto de Cristo, que é a Cabeça.  

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Novo documento do Vaticano ressalta o compromisso dos bispos pela unidade dos cristãos

“O Bispo e a unidade dos Cristãos: vademecum ecumênico” é o título do novo documento publicado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade...

Dom Jorge Pierozan conclui visitas pastorais na Região Santana

O Bispo celebrou na Paróquia Santa Joana D’Arc, no  Setor Pastoral Tremembé No domingo, 29 de novembro, Dom Jorge Pierozan, Bispo Auxiliar de São Paulo...

Paróquia Nossa Senhora das Graças realiza festa da padroeira na Brasilândia

As festividades foram encerradas com uma procissão luminosa e missa solene Com o tema “Maria, mãe da consolação e de todas as graças”, foi celebrada...

Governo cria Comitê Interministerial de Doenças Raras

Decreto está publicado hoje no Diário Oficial da União O governo federal criou o Comitê Interministerial de Doenças Raras, que funcionará no âmbito do Ministério...

Primeira pregação do Advento, Catalamessa: “irmã morte é fonte de vida eterna”

Nesta primeira sexta-feira do Advento, 4, iniciaram as meditações do pregador da Casa Pontifícia Raniero Cantalamessa, criado cardeal pelo Papa Francisco no Consistório de...

Newsletter