Confira nossa versão impressa

O lugar das cidades depois da COVID-19

O lugar das cidades depois da COVID-19
Arte: Sergio Ricciuto Conte

As cidades e, sobretudo, as megalópoles serão afetadas com a pandemia do coronavírus? No momento, nossas atenções estão voltadas, fundamentalmente, para as questões sanitárias e epidemiológicas. Estamos observando o desordenamento no campo econômico? Estamos analisando o desmantelamento na economia, que vem gerando perdas gigantescas em todos os setores e afetando milhões de pessoas? Com o distanciamento e o isolamento social, muitas empresas aderiram ao home office. Muitas delas e escritórios tendem a permanecer com essa modalidade de trabalho. As universidades e demais áreas do saber, do Maternal ao Ensino Médio, assumiram a educação remota e a aprendizagem on-line. As unidades educacionais pensam na volta às aulas, chamada híbrida, mas quanto de presencial e quanto de educação a distância?

Estamos nos referenciando ao home office dos escritórios e das aulas remotas nas instituições educacionais. Pensando nessas atividades escritórios/escolas, quantos empregos foram eliminados? Quantos outros postos de trabalho desaparecerão, confirmando as tendências dos variados setores das indústrias, empresas e universidades e escolas, com a manutenção dos trabalhos, em home office e do ensino on-line?

Até meados dos anos 1950, a grande maioria dos habitantes morava no campo ou nas pequenas cidades. Somente com a industrialização, as cidades aumentaram, e, sem planejamento, as urbes incharam em população e incontáveis problemas. As pessoas procuravam trabalho e melhoria de vida, e a indústria precisava de mão de obra, para os inúmeros ofícios que se multiplicavam nos grandes centros urbanos. As cidades despertavam o fascínio por novos tempos.

Por um lado, desde muito, o campo não apresenta mais espaço de trabalho porque a tecnologia entrou maciçamente nas lavouras. Os braços de muitos foram substituídos pela máquina. Verdade é que uma colheitadeira substitui muitas famílias. Por outro lado, nas últimas décadas, os grandes centros urbanos perderam as indústrias. Houve diminuição de postos de trabalho nas indústrias, e essa escassez foi absorvida pelos escritórios e pelo comércio generalizado, que garantiram a sobrevida de muitos dos operários, que se aperfeiçoaram nos novos ambientes.

Como associar a mecanização do campo e o home office das empresas e escolas? Uma associação perversa e desastrosa para a sustentação de pos tos de trabalho. Haverá benefícios para uns poucos mais bem preparados e malefícios para a grande parcela da população.

Com a mecanização do campo, houve um êxodo rural para os centros urbanos. Com a manutenção do home office nas empresas e escritórios, com o assegurar das aulas remotas oferecidas pelas escolas e universidades nas plataformas on-line, com o comércio enfraquecido nas cidades, muitos perderão seus empregos. Assistiremos a um êxodo urbano e a diminuição de muitas cidades? Onde a massa mais empobrecida e pouco preparada para os novos tempos encontrará trabalho? Nem o campo nem mesmo as cidades serão atrativos para uma vida nova? Onde, então, buscar uma nova vida e novas oportunidades?

Lembremo-nos de que Jesus Cristo morreu e ressuscitou em Jerusalém, cidade cosmopolita do seu tempo. O Cristianismo primitivo desenvolveuse nas cidades. As cartas escritas e contidas no Novo Testamento, na Igreja primeva, foram direcionadas para os habitantes das cidades. Como cristãos, precisamos juntos, agora e sempre, encontrar soluções para o hoje da História e para responder assertivamente aos homens e mulheres do nosso tempo.

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

‘Por que duvidaste?’

Certa vez, Jesus dormira na barca, durante uma forte tempestade. Acordado por discípulos desesperados, repreendeu-lhes a falta de fé e conjurou os...

‘Um padre pode celebrar um casamento fora da Igreja?’

O autor da pergunta preferiu não se identificar. Inicialmente, respondo que, claro, um padre pode celebrar casamentos fora da Igreja. Entretanto, há...

Escola e família em tempos de pandemia

Esta quarentena, que a princípio seria reduzida, prolongou-se muito e estamos há aproximadamente 150 dias vivendo uma rotina completamente diferente da habitual.

O Brasil precisa do compromisso cristão centrado no Evangelho

Diante das dificuldades que o Brasil está enfrentando, é preciso que todos os cristãos se mobilizem e exerçam a sua responsabilidade de...

Newsletter