O passado como lugar a ser revisitado

Enquanto vivíamos o fim de 2019, estava ocorrendo uma epidemia na cidade de Wuhan, na China. Desenvolvia-se uma doença que era notícia com repercussão mundial. Naquele momento, a cidade chinesa era o foco das atenções, porque a situação se agigantava e o vírus se espalhava vertiginosamente. As manchetes sobre a COVID-19 ganhavam mais espaço nos jornais e TVs. Uma enfermidade que assolava a região asiática e rapidamente se disseminava pela Europa, passando pelo Médio Oriente.

Iniciamos o ano de 2020 e o espectro da epidemia circulava entre nós. Ouvíamos a seu respeito e ainda não a temíamos. Passaram as festas de fim de ano. Em muitos lugares, as multidões se aglomeravam com tantas outras festividades. Logo depois, tínhamos iniciado as aulas e tudo se desenvolvia naturalmente, como mais um ano acadêmico. Particularmente, iniciei com os alunos a perspectiva para o presente semestre e os alertei a respeito da epidemia que se iniciara e se multiplicara na China, estava passando pelo Oriente Médio e chegava à Europa, contaminando milhares e fazendo muitas vítimas.

Em conversa com os alunos, eu dizia do diálogo da Teologia com os ou tros saberes. Nesse momento, o novo coronavírus estava tomando o Hemisfério Norte. Comentava sobre o surgimento das universidades na Europa, no século XIII, nascidas no entorno das catedrais e mosteiros. Após um século do ressurgimento das cidades, o aumento da população e o desenvolvimento das Ciências, a Europa estava diante da pandemia da peste negra (1347-1351). Seguia-se o mesmo itinerário das rotas do Oriente para o Ocidente: as vias comerciais da China para os portos europeus, para o abastecimento da população. Perguntava como a Europa respondeu, naquele exato momento, à pandemia e às suas consequências avassaladoras.

As atividades acadêmicas continuavam normalmente, quando, no dia 16 de março, a PUC-SP as suspendeu, e no dia seguinte, a universidade iniciou o período de quarentena, passando das aulas presenciais às aulas virtuais. Momento de adaptação presencial-virtual ou readequação a tempos remotos? Continuamos com nossas aulas on-line e redimensionamos as atividades que havíamos projetado para o semestre, tros saberes.

Nesse momento, o novo coronavírus estava tomando o Hemisfério Norte. Comentava sobre o surgimento das universidades na Europa, no século XIII, nascidas no entorno das catedrais e mosteiros. Após um século do ressurgimento das cidades, o aumento da população e o desenvolvimento das Ciências, a Europa estava diante da pandemia da peste negra (1347-1351). Seguia-se o mesmo itinerário das rotas do Oriente para o Ocidente: as vias comerciais da China para os portos europeus, para o abastecimento da população. Perguntava como a Europa respondeu, naquele exato momento, à pandemia e às suas consequências avassaladoras. As atividades acadêmicas continuavam normalmente, quando, no dia 16 de março, a PUC-SP as suspendeu, e no dia seguinte, a universidade iniciou o período de quarentena, passando das aulas presenciais às aulas virtuais. Momento de adaptação presencial-virtual ou readequação a tempos remotos? Continuamos com nossas aulas on-line e redimensionamos as atividades que havíamos projetado para o semestre, tendo agora a pandemia como referência nas apresentações das aulas e dos seminários. Neste momento, podemos falar de passado e presente. De fontes que pesquisamos e de fatos que estamos vivendo. Quando falamos da peste negra, lembramos e revisitamos o passado, por meio dos documentos que retratam o século XIV. No presente, nós estamos vivendo e passando uma nova pandemia, a COVID-19, que, de fato, se mostra tão violenta e letal, vitimizando pessoas e fazendo naufragar enormemente a sociedade em muitas dúvidas e incertezas, e impactando a economia de todos os países.

Enquanto falava aos alunos que a PUC-SP propõe um novo paradigma para a Educação, pautando o diálogo entre os saberes e o respeito e a importância da interdisciplinaridade, agora postulamos, também, em ordem mundial, um novo paradigma para a sociedade, ainda em pandemia. Quando passarmos por este momento, haveremos de lembrar de tantos fatos ocorridos no passado, de tantas doenças infectocontagiosas, e devemos propor uma nova maneira de viver, de produzir e distribuir os bens para o bem de todos.

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

Viver bem o tempo presente

Fomos todos surpreendidos pela pandemia do novo coronavírus. Depois de 1918, com a gripe espanhola, que dizimou muitas pessoas ao redor do...

O ‘Covidão’ do aborto

Quem lesse de relance uma manchete como “Movimentos financiados por fundações internacionais na iminência de conseguir a legalização do aborto no Brasil”...

Catequese: parte importante na missão da Igreja

O novo Diretório para a Catequese, publicado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, válido para a Igreja em todo...

Clássicos do cinema: ‘Ao Mestre com Carinho’

POR JOÃO FOUTO To Sir with Love – no Brasil “Ao Mestre com Carinho” – é um excelente...

Newsletter