Confira nossa versão impressa

Onde estaremos e como seremos nos desdobramentos da COVID-19?

Como seremos depois da pandemia? Onde estaremos como referência temporal e espacial? Quais serão os desdobramentos da COVID-19? Como reagiremos no pós-coronavírus? Estamos, por ora, seguindo as orientações dos sanitaristas e epidemiologistas. A Medicina vem respondendo ao momento atual. Estamos entrando numa nova época da História? Como seremos e como estaremos nos desdobramentos do vírus, no tempo e no espaço, certamente, serão os historiadores a nos ajudar a entender o homem e a mulher desse período, quiçá de um novo período da História da humanidade.

Os historiadores afirmam que vivemos no Período Contemporâneo. O fato histórico que marcou a mudança do Período Moderno para o Período Contemporâneo foi a Revolução Francesa, ocorrida no fim do século XVIII. Fatos e acontecimentos ocorreram depois da Revolução Francesa, mas não houve mudanças nos períodos determinados pela História. Da Revolução Francesa, em 1789, à COVID-19, passaram-se exatos 230 anos. Estamos visualizando um novo olhar para a humanidade? Estamos projetando um novo cenário mundial ou um novo período da História?

Onde estaremos e como seremos nos desdobramentos da COVID-19?
Arte: Sergio Ricciuto Conte

Podemos dizer que guerras, revoluções e pandemias podem alterar o itinerário da História ou mesmo começar um novo período? Tivemos muitas guerras e até duas grandes guerras mundiais. A humanidade presenciou a Primeira Guerra Mundial, entre 1914 e 1918, e a Segunda Guerra Mundial, cuja duração foi de 1936 a 1945. Foram desastrosas, com milhões de vidas ceifadas e perdas avassaladoras na economia planetária. As duas guerras mundiais e as demais estão inseridas no Período Contemporâneo.

Depois da Revolução Francesa, em 1789, as fontes nos mostram, pelos livros nas bibliotecas espalhadas pelo mundo, nos museus e arquivos, que tivemos outras tantas revoluções, mas elas não mudaram a periodização da História. Todas as revoluções, nacionais e internacionais, fazem parte da contemporaneidade.

Será a pandemia de COVID-19 a mudar o curso da História, fazendo a humanidade entrar em outro período? Nem mesmo a pandemia, chamada Gripe Espanhola, em 1918, mudou o curso dos povos. A Primeira Guerra Mundial dizimou milhões de pessoas, pelas armas e devido à insanidade dos governos beligerantes. Com o fim da guerra, em 1918, vimos o escopo danoso e avassalador dessa terrível enfermidade pandêmica.

A Medicina está respondendo à pandemia. Nos laboratórios, homens e mulheres buscam respostas assertivas para encontrar uma vacina eficaz. Os cientistas lutam contra o tempo para livrar a humanidade do contágio, da enfermidade e da morte pelo pânico, horror e destruição da COVID-19.

A História procura entender o flagelo pelo qual a humanidade está passando. O momento é crítico e devastador. O inimigo invisível ceifa a vida de homens e mulheres e aniquila a economia mundial. Os historiadores buscam compreender a sociedade contemporânea, para situá-la no tempo e no espaço, respondendo a uma nova época ou a uma nova periodização.

A humanidade passa por guerras, revoluções e pandemias. Infelizmente, elas são produzidas por nós, direta ou indiretamente. Se estamos vivos, no hoje da História, por que não agirmos juntos para o melhor da sociedade? Sejamos, portanto, portadores de um novo tempo, para uma nova humanidade, com humanização e respeito mútuos.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Prefeitura pede que no Dia de Finados cerimônias religiosas em cemitérios ocorram em espaços abertos

Em nota divulgada à imprensa na tarde da segunda-feira, 26, a Prefeitura de São Paulo recomendou que...

‘Acolhamos com fé a semente e o fermento do Reino de Deus’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 27, na capela...

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco

Entre os 13 novos eleitores, os arcebispos de Washington (EUA) e Santiago do Chile

Capela São Camilo de Lellis é a presença da Igreja no Hospital do Mandaqui

O templo localizado no hospital da zona Norte de São Paulo é o último retratado na série especial de reportagens do O...

Santa Catarina de Sena: Doutora da Igreja e poeta

Nesta segunda-feira, O SÃO PAULO da sequência a série especial, que rememora santos da Igreja reconhecidos, também,...

Newsletter