Unidos no amor a Deus e à Igreja e na morte sofrida por causa da fé

SOLENIDADE DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO

Apresentado a Jesus por André, Pedro foi o primeiro Apóstolo a reconhecê-lo como Messias e Filho de Deus (cf. Mt 16,16). Cedeu a Ele a barca numa das primeiras pregações; presenciou os discursos e milagres de Sua vida pública; e aprendeu do Senhor muitas coisas ao pé do ouvido. Viu a Transfiguração; a ressurreição da filha de Jairo; caminhou sobre as águas; esteve na Última Ceia, tendo os pés lavados pelo Mestre; orou com Jesus no Getsêmani. Quando Ele perguntou se os Apóstolos queriam ir embora com a multidão que o deixava, Pedro se adiantou aos demais e respondeu: “A quem iremos? Só tu tens palavras de vida eterna!” (Jo 6,68). 

Chegou a negar o Senhor por três vezes, é verdade. Mas isso não lhe impediu de receber uma missão absolutamente singular: “Tu és Pedro e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus” (Mt 16,18s). E ainda: “Confirma os teus irmãos!” (Lc 22,32); “Apascenta as Minhas ovelhas!” (Jo 21,16). Foi o primeiro Papa e o líder do apostolado junto aos judeus. 

São Paulo, ao contrário, não conviveu com Jesus. Conheceu-O somente ao cair por terra na estrada de Damasco, quando, sob o reflexo de uma luz, o Senhor lhe perguntou: “Por que me persegues?” (At 9,4). Ele mesmo diria: “Não mereço ser chamado Apóstolo, pois persegui a Igreja de Deus” (1Cor 15,9). Sem falsa modéstia, contudo, afirmaria mais tarde: “Trabalhei mais do que todos os apóstolos. Não eu, mas a graça de Deus em mim” (1Cor 15,10). Foi o maior missionário da Igreja, consumindo-se pela salvação dos gentios. 

Com personalidade forte e reta, uma vez repreendeu ao próprio Pedro publicamente (cf. Gl 2,14). Quando preso, levou à conversão o carcereiro: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo tu e a tua casa!” (At 16,31). Orgulhava-se de ter sofrido muito pelo Evangelho: açoites, naufrágios, assaltos, deserto, falsos irmãos, vigílias, jejuns, frio e a responsabilidade para com toda a Igreja (cf. 2Cor 11,23ss). Prestes a morrer, deixou-nos um maravilhoso testemunho: “Agora está reservada para mim a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará; e não somente a mim, mas também a todos os que esperam com amor a Sua manifestação gloriosa” (2Tm 4,8). 

Suas vidas, tão diferentes, se uniram no amor a Deus e à Igreja e na morte sofrida por causa da fé! Pedro, segundo a Tradição, foi crucificado com a cabeça para baixo; Paulo foi decapitado. Um pela cruz outro pela espada, santificaram com seu sangue o solo de Roma. O sentido de suas vidas - literalmente gastas por amor a Deus e ao próximo - pode ser resumido nestas belas palavras: “Eu tenho certeza de que nem a morte, nem a vida, nem os Anjos, nem os principados, nem o presente, nem o futuro, nem as potestades, nem as alturas, nem os abismos, nem outra qualquer criatura nos poderá separar do amor de Deus manifestado em Cristo Jesus Nosso Senhor” (Rm 8,38s). 

Deixe um comentário