Assembleia Geral do Celam aprova nova estrutura pastoral da entidade

Assembleia Geral do Celam aprova nova estrutura pastoral da entidade
Pela primeira vez, assembleia do Conselho Episcopal Latino-Americano aconteceu na modalidade on-line (foto: Prensa/Celam)

Na conclusão da 38ª Assembleia Geral Ordinária, do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), realizada entre os dias 18 e 21, foi aprovada a proposta de reestruturação pastoral desse organismo eclesial de serviço, comunhão e articulação do episcopado na América Latina e no Caribe.

Pela primeira vez realizada de forma virtual, devido à pandemia de COVID-19, a assembleia contou com a participação dos presidentes e delegados das 22 conferências episcopais do continente. Além do tema principal da renovação da estrutura da entidade, o episcopado refletiu sobre os desafios das Igrejas nos diferentes países latino-americanos, especialmente no contexto da atual pandemia.

Processo de escuta

Na mensagem final enviada às conferências episcopais do continente, os participantes da assembleia ressaltaram que o evento foi realizado “em espírito de comunhão e fraternidade, um olhar contemplativo sobre a realidade latino-americana e caribenha, com uma visão universal e esperançosa”.

Da mesma forma, “iluminamos essa realidade desde os fundamentos teológicos, eclesiológicos e pastorais do processo de renovação e reestruturação do Celam” e “aprofundamos em uma proposta de pastoral, como Igreja sinodal em saída, para o desenvolvimento humano integral das pessoas e comunidades”.

O texto apresentado e aprovado pela assembleia é resultado de um processo iniciado em 2019, quando a atual presidência do Celam assumiu o mandato. A equipe responsável realizou uma série de reuniões e consultas às conferências episcopais, organismos eclesiais continentais e dicastérios da Santa Sé, que contribuíram no discernimento e reflexões sobre a nova proposta.

Eixos fundamentais

A nova estrutura prevê a formação de quatro centros pastorais que funcionarão como eixos fundamentais de atuação do Celam, em vez dos antigos departamentos que compunham a entidade. Esses centros trabalharão de forma integrada e articulada.

O Centro do Conhecimento terá a missão de “analisar, a partir de uma pastoral discernida, a complexa realidade da nossa região”.  O Centro de Formação Bíblico-Teológico Pastoral para a América Latina e o Caribe, que já existe, assumirá cada vez mais a missão de promover processos formativos de âmbito pastoral.

O Centro para Programas e Redes de Ação Pastoral estará a serviço das conferências episcopais para orientação pastoral e intercâmbio de experiências entre essas conferências por meio de redes temáticas e territoriais.

Por fim, o Centro de Comunicação, dedicado a promover uma comunicação eficaz entre as conferências episcopais, atenta às novas tecnologias e processos comunicacionais.

Reforma dos Estatutos

Também foi aprovada a convocação de uma assembleia extraordinária para os dias 20 e 21 de julho para estudar a questão econômica e a renovação dos estatutos do Celam, em vigor desde 2009. Para isso, existe uma comissão que trabalha desde novembro de 2020 com o auxílio de uma comissão jurídica.

De acordo com o coordenador dessa comissão, Padre Marcelo Gidi, os princípios orientadores da reforma – eclesialidade, comunhão, colegialidade e sinodalidade – devem se concretizar em serviços ágeis e simplificados, com estruturas descentralizadas.

Natureza e identidade

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo e 1º Vice-Presidente do Celam, afirmou que, durante a apresentação da proposta à assembleia, os bispos refletiram muito sobre a natureza e identidade da própria entidade. “O Celam é um organismo episcopal, mas não é uma conferência episcopal. É um conselho que está a serviço das conferências episcopais do continente, um serviço subsidiário, ou seja, não é o Celam que coordena as conferências episcopais e as dioceses”, destacou.

Nesse sentido, Dom Odilo frisou que, uma vez entendida a identidade e missão do Celam, compreende-se que esse organismo não precisa reproduzir todos os serviços necessários em uma conferência episcopal ou diocese. “A estrutura anterior, dos departamentos, imitava um pouco o que era a atribuição das conferências episcopais. Por isso, o Celam fazia muitas coisas que são próprias das dioceses e acabava não realizando o que realmente era necessário.”

“O Celam é, portanto, um organismo de serviço, é articulador, apresenta novas reflexões, escuta as realidades da Igreja e da sociedade no continente e propõe novos caminhos. Por isso, é um desafio pensá-lo em novas categorias, não como uma ‘superconferência episcopal’ do continente”, completou Dom Odilo.

Pastores

Além da mensagem às conferências episcopais, a Assembleia Geral do Celam escreveu mensagens ao Papa Francisco e ao povo de Deus.

Na mensagem ao Pontífice, os bispos recordaram que o encontro teve lugar no contexto da pandemia de COVID-19, que expôs as limitações e fragilidades do continente, acentuando as desigualdades, como se pôde perceber com o crescimento de 12% na taxa de pobreza per capita.

“Como pastores do povo de Deus, queremos colocar um ouvido no grito da terra e o clamor dos pobres com a consciência de que tudo está interligado, e o outro ouvido no Evangelho do Reino de Deus, com a esperança de sairmos desta crise juntos e melhores, animados por suas palavras: ‘Estamos todos na mesma barca’, ‘Ninguém se salva sozinho’”, escreveram.

Deixe um comentário