Polônia, a marcha pelos refugiados: “alimentar e vestir os que sofrem”

No sábado à tarde, em Varsóvia, milhares de pessoas marcharam em solidariedade para com os migrantes da Belarus que tentam entrar na Europa. O porta-voz dos jesuítas poloneses, padre Zmudzinski: “Eles não são agressores, mas desesperados, enganados e necessitados”.

Vatican Media

“Dar de comer aos famintos, vestir quem está nu!”. Milhares de pessoas gritaram as palavras de Jesus na tarde de sábado em Varsóvia, durante a marcha de solidariedade para com os migrantes que tentam atravessar a fronteira polonesa para entrar na Europa, enfrentando o frio, a fome e as rejeições por parte da polícia de fronteira. Na manifestação, que começou na Praça da União em Lublin, no centro da capital polonesa, organizada pelas ONG que procuram ajudar os migrantes, incluindo o Centro Social dos Jesuítas, filiado ao Jesuit Refugee Service, as bandeiras dos movimentos foram substituídas por cobertores térmicos utilizados pelos refugiados para se manterem aquecidos. A primeira das exigências era que os médicos regressassem à fronteira.

As detenções e rejeições continuam na fronteira

Entretanto, na fronteira com a Belarus, as autoridades polonesa anunciaram que somente neste sábado tinham devolvido 195 pessoas que tentavam entrar ilegalmente no país, na zona de Dubicze Cerkiewne. “Os estrangeiros eram agressivos, atiravam pedras, foguetes e gás lacrimogêneo”, lê-se numa declaração, especificando que a polícia tinha prendido várias pessoas, incluindo quatro poloneses, dois ucranianos, dois alemães, um azerbaijano e um georgiano, acusados de tentarem ajudar um grupo de 34 migrantes a atravessar a fronteira.

Minsk “mudou de tática na crise dos migrantes”, denunciou o ministro da Defesa polonês, Mariusz Blaszczak, endereçando “grupos menores” para tentarem atravessar a fronteira com a Polônia “em vários pontos”. E advertiu que se deve “preparar para o fato de que este problema continuará durante meses”, porque “não há dúvida de que estes ataques são dirigidos pelos serviços bielorussos”. O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, admitiu que é “absolutamente possível” que as suas forças tenham ajudado as pessoas a atravessar a fronteira para a UE, mas negou que se tratasse de uma operação orquestrada.

Porta-voz jesuíta: não agressores, mas sim pessoas necessitadas enganadas

Entre os participantes na marcha em Varsóvia estava o padre Wojciech Zmudzinski, porta-voz e assistente provincial da Companhia de Jesus na Polônia, que conversou  com o Vatican News.

O senhor neste sábado em Varsóvia participou da marcha de solidariedade com os migrantes que tentam entrar na União Europeia vindos da Belarus através da fronteira com a Polônia. O que é que os manifestantes pediram?

Para enfatizar a unidade de todos, os participantes não levavam bandeiras e faixas mostrando a sua orientação política ou afiliação religiosa, mas as mantas térmicas utilizadas pelos refugiados para se aquecerem, que acenavam ao lado das bandeiras dos migrantes. Era belo quando a multidão gritava: “Alimento para os famintos, roupas para os nus”. Os manifestantes exigiram o regresso dos médicos à fronteira. Um jovem organizador, que tinha acabado de regressar da fronteira, leu cartas dos migrantes e contou como as pessoas dos vilarejos juntamente com católicos de Varsóvia ajudam os migrantes. Quando a marcha começou a partir da Praça da União em Lublin, havia vários milhares de participantes. Havia pessoas de todas as idades, mas na sua maioria jovens. Havia também muitas famílias com filhos pequenos. Mas eu não vi um único migrante. Espero que a marcha inspire muitas pessoas não só a pensar na sua própria segurança mas também a dar um exemplo de hospitalidade que custa.

(Com informações de Vatican News)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter