Confira nossa versão impressa

‘Deus chama e a Igreja acolhe e confirma a vocação verdadeira’

‘Deus chama e a Igreja acolhe e confirma a vocação verdadeira’
Cardeal Scherer, durante rito de instituição de ministério de acólito a seminaristas (Foto: Luciney Martins)

Em entrevista ao O SÃO PAULO, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, falou sobre os desafios atuais da formação presbiteral e ressaltou a preocupação da Igreja para que a preparação dos candidatos contemple todas as dimensões necessárias em vista de uma formação integral. Confira:

O SÃO PAULO – Quais são os desafios da formação presbiteral na atualidade?

Dom Odilo Pedro Scherer – Entre os desafios, destaco dois. O primeiro, é encontrar vocações autênticas em número suficiente, conforme as necessidades da Igreja nos tempos atuais. Essa questão diz respeito a todas as comunidades da Igreja, que devem fazer a sua parte para que despertem vocações sacerdotais nas famílias, grupos eclesiais e paróquias. Cada comunidade paroquial deve preocupar-se para que haja vocações também no seu meio. Outro desafio é a adequada formação nos seminários e centros de estudos de Filosofia e Teologia. A preparação dos futuros sacerdotes precisa ser profunda e abrangente, envolvendo a vida pessoal e o caráter, a preparação humana, cristã, espiritual, cultural e teológica dos formandos, para o bom desempenho da vida sacerdotal. A formação, por outro lado, precisa estar sintonizada com as preocupações da Igreja e com as situações do povo e as necessidades da Igreja local e universal.

Quais são as características importantes para que um jovem seja um bom sacerdote?

Para ser um bom padre é preciso ser, antes de tudo, um bom católico, uma pessoa de fé, de amor à Igreja e de prática religiosa assídua. Por outro lado, é necessário ter uma retidão de intenção e de conduta. Um caráter bem formado e firme, que se manifesta nas virtudes humanas essenciais, é a base sólida sobre a qual se edificam as virtudes cristãs e as qualidades sacerdotais.

O período de formação no Seminário, geralmente, é de 8 ou 9 anos. Porque leva tanto tempo para formar um padre?

De fato, as diretrizes da Igreja pedem que o seminário tenha diversas etapas: o período propedêutico, minimamente de um ano; o período dos estudos filosóficos, de três anos; o período dos estudos teológicos, de quatro anos. Além de um ano de experiência diaconal em preparação à ordenação sacerdotal. Cada etapa possui suas metas e sua pedagogia própria, visando o bom discernimento vocacional, a formação do bom católico, discípulo de Cristo, e a formação do bom sacerdote, ministro de Cristo. Durante esse tempo, os seminaristas frequentam dois cursos superiores: Filosofia e Teologia. O estudo é importante, mas não é tudo na formação sacerdotal. Os seminaristas, ao mesmo tempo, são acompanhados nas outras dimensões da formação, no discernimento e amadurecimento vocacional. A formação no seminário deve oferecer uma boa base para que o futuro sacerdote tenha condições de desempenhar bem a missão que receberá pela ordenação sacerdotal.

É correto dizer que é Deus quem chama, mas é a Igreja quem escolhe?

É verdade que a vocação vem de Deus. Mas cabe à Igreja o discernimento, para verificar a autenticidade da vocação. Por isso, pode ser tida como autêntica somente aquela vocação que, após o discernimento sereno e maduro sobre os sinais vocacionais, confirmem a autenticidade. Deus chama e a Igreja acolhe e confirma a vocação verdadeira.

Nesses anos todos de sacerdócio, o que o senhor considera de mais belo no ministério sacerdotal?

A vida sacerdotal proporciona muitas experiências bonitas ao sacerdote. A primeira delas é a fé do povo que, na sua simplicidade, reconhece no padre um “homem de Deus” e assim se dirige a ele, esperando dele comportamento e atitudes condizentes. Essa atitude das pessoas em relação ao sacerdote reflete a fé genuína da Igreja Católica, baseada no Evangelho de Cristo, que recomendou: “Quem vos recebe, recebe a mim; quem vos rejeita, rejeita a mim” (Lc 10,16). Ou então: “Todo poder me foi dado no céu e na terra. Ide, pois, e fazei discípulos…” (Mt 28,18-19). A dignidade e a autoridade sacerdotal superam nossa dignidade e autoridade pessoal e são dons de Deus à sua Igreja, para o bom desempenho de sua missão. Nem sempre nós mesmos nos damos conta do fato de sermos ministros de Cristo, e não, “profissionais autônomos”, que agem por sua própria iniciativa e competência. O sacerdócio, exercido com fé, generosidade e humildade, proporciona muitas alegrias ao sacerdote, junto com sacrifícios e cruzes, que também não faltam.

LEIA TAMBÉM:

‘Pela unção sacerdotal recebida, temos o privilégio de servir nossos irmãos em nome de Cristo’

Dom Odilo: ‘Por Jesus, vale a pena seguir adiante’

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

SP fecha último hospital de campanha para tratamento de covid-19

Os equipamentos utilizados serão doados para instituições assistenciais e unidades de saúde pública Com...

Arquidiocese terá paróquia em honra a Santa Dulce dos Pobres

No próximo sábado, 26, às 18h, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, presidirá...

Papa: cultura do descarte é um atentado contra a humanidade. ONU seja oficina de paz

Coronavírus, desigualdade, perseguição religiosa, armas, Amazônia e família: estes são alguns dos temas tratados pelo Papa Francisco...

Bíblia: alimento para a peregrinação dos filhos de Deus

Muitas pessoas afirmam ter dificuldade em ler e compreender as Escrituras, por não entender sua linguagem, símbolos e contextos. É por isso...

‘Economia de Francisco’: jovens dialogam com o Cardeal Scherer

Arcebispo de São Paulo participou de reunião virtual com três brasileiros integrantes ADCE que participam do evento internacional

Newsletter