Confira nossa versão impressa

Imagens sacras: a representação daquilo que nos aproxima de Deus

Elas remetem os fiéis a um significado íntimo e profundo, seja em um simples altar em casa, seja nas igrejas

Imagens sacras: a representação daquilo que nos aproxima de Deus
Cristo em Majestade – Basílica do Santuário Nacional da Imaculada Conceição, em Washington D.C

O jornal O SÃO PAULO tem publicado uma série de reflexões sobre os sinais da fé cristã, com base no livro da Editora Quadrante “Sinais de Vida – Quarenta Costumes Católicos e suas Raízes Bíblicas”, do teólogo Scott Hahn.

Dando sequência à série, apresentamos uma reflexão sobre a devoção às imagens sacras. Elas remetem os fiéis a um significado íntimo e profundo, seja em um simples altar em casa, seja nas igrejas. Quando se volta o olhar para uma imagem, recorda-se que aquela pessoa, ali representada, viveu conforme a vontade de Deus e se tornou um modelo de vida e santidade.  

 “Já que alguns nos consideram em erro por venerar e honrar a imagem do Nosso Salvador e de Nossa Senhora, bem como as imagens dos outros santos e servos de Cristo, recordamos a eles que no princípio Deus criou o homem à sua imagem (cf. Gn 1,26). Com base em que, portanto, honramos uns aos outros, senão pelo fato de que somos feitos à imagem de Deus? Pois, como diz Basílio, versado intérprete das coisas divinas, a honra dada à imagem é transferida para o protótipo”, recorda Scott Hahn em sua obra.

VENERAÇÃO E ADORAÇÃO

Os católicos veneraram os santos, o que é muito diferente de adoração. Na verdade, as imagens são como fotos com as quais recordamos entes queridos.

A palavra dulia vem do grego doulo, que significa “servidor”. Dulia, em português, quer dizer “reverência, veneração”. Latria é “adoração”, vem do grego latreia, que significa “serviço ou culto prestado a um soberano senhor”. Portanto, não há como confundir o culto prestado a Deus com o culto prestado aos santos.

“Aquilo que a face de Jesus humano revelou ao longo de sua vida do século I é revelado pelas imagens sacras. Mesmo as imagens que retratam Jesus como um governante e um juiz também o retratam como um homem e nos lembram da sua humildade, da sua disposição para adotar a condição humana, repleta como é de fraquezas”, recorda o livro “Sinais de Vida”.

ESTIMULAM A ORAÇÃO

Imagens sacras: a representação daquilo que nos aproxima de Deus
Luciney Martins/O SÃO PAULO

Segundo Hahn, nem todos são capazes de ler os mistérios da salvação, apresentados pelas Sagradas Escrituras e, por isso, “os padres aprovaram a representação desses acontecimentos por meio de imagens […], de maneira que formassem um memorial conciso do que se passou”. O Concílio Ecumênico de Niceia, no ano 789, que aprovou o uso de imagens, afirmou:

“Na trilha da doutrina divinamente inspirada de nossos santos padres e da tradição da Igreja Católica, que sabemos ser a tradição do Espírito Santo que habita nela, definimos com toda certeza e acerto que as veneráveis e santas imagens, bem como as representações da Cruz preciosa e vivificante, sejam elas pintadas, de mosaico ou de qualquer outra matéria apropriada, devem ser colocadas nas santas igrejas de Deus, sobre os utensílios e as vestes sacras, sobre paredes e em quadros, nas casas e nos caminhos, tanto a imagem de Nosso Senhor, Deus e Salvador, Jesus Cristo, como a de Nossa Senhora, a puríssima e santíssima mãe de Deus, dos santos anjos, de todos os santos e dos justos.”

São João Damasceno, Doutor da Igreja, dizia: “A beleza e a cor das imagens estimulam minha oração. É uma festa para os meus olhos, tanto quanto o espetáculo do campo estimula meu coração a dar glória a Deus”.

INTERCESSÃO DOS SANTOS

Imagens sacras: a representação daquilo que nos aproxima de Deus
Luciney Martins/O SÃO PAULO

São Jerônimo dizia: “Se, aqui na Terra, os santos em vida rezavam e trabalhavam tanto por nós, quanto mais não o farão no Céu, diante de Deus. Santa Teresinha do Menino Jesus dizia que “ia passar o Céu na terra”, ou seja, intercedendo pelas pessoas.

O Catecismo da Igreja Católica nos ensina o seguinte, no § 956: “Pelo fato de os habitantes do Céu estarem unidos mais intimamente com Cristo, consolidam com mais firmeza na santidade toda a Igreja. Eles não deixam de interceder por nós ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Por seguinte, pela fraterna solicitude deles, a nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio” (Lumen gentium, 49).

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Novo documento do Vaticano ressalta o compromisso dos bispos pela unidade dos cristãos

“O Bispo e a unidade dos Cristãos: vademecum ecumênico” é o título do novo documento publicado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade...

Dom Jorge Pierozan conclui visitas pastorais na Região Santana

O Bispo celebrou na Paróquia Santa Joana D’Arc, no  Setor Pastoral Tremembé No domingo, 29 de novembro, Dom Jorge Pierozan, Bispo Auxiliar de São Paulo...

Paróquia Nossa Senhora das Graças realiza festa da padroeira na Brasilândia

As festividades foram encerradas com uma procissão luminosa e missa solene Com o tema “Maria, mãe da consolação e de todas as graças”, foi celebrada...

Governo cria Comitê Interministerial de Doenças Raras

Decreto está publicado hoje no Diário Oficial da União O governo federal criou o Comitê Interministerial de Doenças Raras, que funcionará no âmbito do Ministério...

Primeira pregação do Advento, Catalamessa: “irmã morte é fonte de vida eterna”

Nesta primeira sexta-feira do Advento, 4, iniciaram as meditações do pregador da Casa Pontifícia Raniero Cantalamessa, criado cardeal pelo Papa Francisco no Consistório de...

Newsletter