Alberani na Igreja São Luiz: a arte dos jesuítas retorna

Por Percival Tirapeli

O SÃO PAULO dá sequência à série sobre as obras jesuíticas espalhadas pela capital paulista e arredores

Interior da Igreja São Luiz Gonzaga, na Avenida Paulista: templo sob os cuidados dos Jesuítas foi construído em 1932

Com a restauração da Companhia de Jesus em 1814, os jesuítas retornaram ao Brasil, com a permissão de Dom Pedro II, em Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC), Recife (PE) e no estado de São Paulo, no ano de 1865. Instalaram-se primeiro na cidade de Itu (SP), onde construíram o Colégio São Luís. Seguindo a tradição de padres humanistas, conhece dores de várias áreas, incluindo as artes, o projeto daquele colégio, em Itu, ficou a cargo do Padre Giovanni Maria Alberani.

Nascido em Fusignano (1830), norte da Itália, seu noviciado foi em Santo Andrea al Quirinale, em Roma, e logo transferido para Bologna como cozinheiro. No ano de 1865, Alberani já se ocupava da construção do colégio ituano, pois era conhecido como capo mestre, hábil construtor e diretor de obras, além de artista como escultor e pintor. No Colégio São Luís, em Itu, inaugurado em 1867, estão suas obras, como o projeto das fachadas do colégio e da capela, a escultura de São Luís na torre do relógio e o próprio relógio. Executou também cenários para teatro, medalhões em forros e uma pintura do Anjo Custódio. Atualmente, abriga o Regimento Deodoro.

Com a vinda dos Salesianos para São Paulo, em 1878, os padres se instalaram em uma pequena capela na capital e logo sentiram a necessidade de uma igreja e um colégio. Padre Alberani projetou a Igreja do Sagrado Coração de Jesus, cuja construção foi iniciada em 1881, inaugurada em parte em 1901 e terminada pelo salesiano Domingos Delpiano. Do padre jesuíta, tem-se a certeza de ser a abside do presbitério, com possibilidade de serem também as pinturas. Realizou uma grande maquete da igreja em argila e pouco mais se sabe do artista, que morreu dois anos depois da inauguração do templo, em 1913. São Paulo passou, então, a ter o mais belo e grandioso templo concebido pelo Padre Alberani, a se igualar em beleza com a nave principal de Santa Maria Maggiore, em Roma.

Os jesuítas mudaram-se para São Paulo em 1918, estabelecendo o novo colégio na antiga sede do Colégio Anglo-Brasileiro, na Avenida Paulista. A igreja foi construída em 1932, projeto do ex-aluno, o engenheiro Luís de Anhaia Mello, e inaugurado três anos depois. Sua fachada é em estilo neoclássico greco-romano, caracterizada por possantes colunas estriadas em granito rosa, medindo 11 metros de altura, coroadas pelos capitéis jônicos em bronze que sustentam o triângulo frontão retilíneo. No tímpano, modelou-se o monograma dos jesuítas.

O interior da igreja segue a severidade do estilo neoclássico, com o espaço da nave única demarcado por duplas de colunas adossadas às paredes claras, adornadas na altura da abóbada por lunetas. Mais abaixo, há vitrais alusivos à história de santos jesuítas no Brasil. São cenas de Catequese para os nativos, a exemplo dos Padres Belchior Pontes, na igreja do Embu (SP), e Manuel da Nóbrega, na fundação de São Paulo. Alguns mártires, como a homenagem aos 40 Mártires do Brasil (1570) e aos santos fundadores da Companhia de Jesus, Inácio de Loyola, Francisco Xavier e Francisco de Borgia.

A capela-mor é evidenciada por pares de pilastras e colunas cilíndricas lisas que demarcam o espaço da abside a partir de um elegante arco abatido. Junto à curvatura, ergue-se o retábulo lítico em tonalidades de marrom-escuro a imitar com seu desenho a digna fachada. Sob o arco, está a escultura de São Luís Gonzaga, obra do Padre Giovanni Maria Alberani. A abóbada eleva-se da cornija e flutua na espacialidade de absoluta clareza, como requer a pureza do Santo, patrono dos estudantes, que ora ao Crucificado em suas mãos.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter