Ministério Público investiga causas de desmoronamento em obras do Metrô na Marginal Tietê

Ministério Público investiga causas de desmoronamento em obras do Metrô na Marginal Tietê
Reprodução de imagem de tevê

A Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo instaurou na terça-feira, 1º, um inquérito civil para apurar as causas do desmoronamento ocorrido no canteiro de obras da linha 6 Laranja do Metrô de São Paulo na Marginal Tietê. O órgão também investigará a extensão dos danos urbanísticos e ambientais decorrentes do incidente, que prejudica a mobilidade urbana no município. “A promotoria requisitou informações já tomadas pelo consórcio contratado pelo governo do estado de São Paulo”, diz nota do Ministério Público.

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou que equipes da empresa estão trabalhando para reverter o esgoto da tubulação danificada (ITI-7) para outra tubulação próxima, realizando dessa forma o esvaziamento do local. “Após o esgoto ter sido totalmente escoado, será possível fazer um diagnóstico mais preciso do interceptor avariado e estabelecer prazos”.

A tubulação, chamada interceptor de esgotos, que foi rompida, é responsável por encaminhar o esgoto, coletado principalmente na região central da cidade, para tratamento em Barueri (SP).

Concessionária

No início da noite da terça-feira, a Acciona, concessionária responsável pelas obras de construção da linha 6 Laranja do Metrô, descartou que o desmoronamento esteja relacionado diretamente às operações de construção da linha.

“Com as informações disponíveis neste momento, o incidente ocorrido esta manhã na Marginal Tietê não está relacionado diretamente ao desenvolvimento das obras da Linha 6 Laranja. Trata-se de um rompimento de um interceptor de esgoto”, disse a concessionária, em nota.

A concessionária destacou ainda que o desmoronamento não causou vítimas, foi pontual e não interfere nas demais frentes de trabalho do projeto, que seguirão em execução.

Mais cedo, o presidente da concessionária negou que a tuneladora – equipamento que escavava a linha e é chamado, popularmente, de tatuzão – tenha se chocou com a rede coletora de esgoto. “Provavelmente [o rompimento] tenha a ver com a chuva, com erosões, porque a tuneladora estava a três metros dessa coletora. Não houve nenhum choque”, disse André de Ângelo, presidente da Acciona.

O rompimento dos dutos de esgoto inundou o túnel do metrô em construção e desestabilizou o solo, causando o desmoronamento que atingiu a pista de rolamento local da Marginal Tietê, no sentido da rodovia Ayrton Senna. A marginal está com apenas parte de suas vias liberadas para o tráfego, o que causa um grande congestionamento.

Maior obra de infraestrutura em execução atualmente na América Latina, a construção da linha 6 Laranja é uma parceria público-privada (PPP) do governo do Estado de São Paulo com a Concessionária Linha Universidade. As obras estão em execução pelo braço de construção do grupo Acciona.

Aumento da cratera

Após o desmoronamento, todas as pistas da Marginal Tietê, sentido rodovia Ayrton Senna, chegaram a ser interditadas. Por volta das 13h, o trânsito chegou a liberado nas pistas central e expressa na altura do acidente. No entanto, após a 16h30, o asfalto voltou a desabar, aumentando as dimensões da cratera, e técnicos da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) voltaram a interromper o trânsito na pista central.

Fonte: Agência Brasil e G1

Deixe um comentário