‘Nossa Senhora está atenta às dores e necessidades dos seus filhos’

Afirmou o Cardeal Odilo Pedro Scherer, durante a 120ª Romaria Arquidiocesana a Aparecida

Dom Odilo Scherer preside missa no Santuário Nacional de Aparecida, em romaria arquidiocesana (foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa da 120ª Romaria Arquidiocesana a Aparecida, no domingo, 2.

Devido à pandemia de COVID-19, assim como no ano passado, a Eucaristia foi concelebrada pelos bispos auxiliares e alguns padres da Arquidiocese. Também participou um grupo de leigos e religiosos, representando as paróquias e comunidades das seis regiões episcopais, que se somou aos devotos e romeiros de diversos lugares em peregrinação ao Santuário Nacional.

Os fieis da Arquidiocese se uniram à romaria em comunhão e oração, de suas casas, acompanhando a celebração pelos meios de comunicação e mídias sociais.

LEIA TAMBÉM:
‘Com esperança, confiança e muita paciência, estamos aguardando a volta dos devotos’


Aparecida será um dos 30 santuários do mundo com orações do Papa pelo fim da pandemia

Casa da Mãe

Com o tema “A ti recorremos, Mãe Aparecida, nosso consolo e esperança”, a Igreja Particular de São Paulo peregrinou ao Santuário Nacional para colocar diante da padroeira do Brasil a vida, alegrias, sofrimentos e angústias da população da maior arquidiocese do País, que vive uma das fases mais críticas da pandemia.

Cardeal Odilo Scherer (reprodução TV Aparecida)

“E tão bom voltar à casa da Mãe e, mais ainda, quando a vida está difícil, quando as coisas estão complicadas, como agora. Tanto problemas, tantas situações de sofrimento, dor, ansiedade, luto, mas, também, de esperança. Quantas coisas bonitas também estão acontecendo graças à força que vem da fé, da generosidade, da caridade”, manifestou Dom Odilo, na homilia.

O Cardeal recordou, ainda, que, nas horas difíceis, a mãe dá forças. “É isto que nós todos precisamos neste tempo. Nossa Senhora não está desatenta às dores e necessidades do seus filhos”, ressaltou.

Unidos à videira

Chamando a atenção para o Evangelho do 5º Domingo da Páscoa, o Arcebispo afirmou que a condição dos cristãos é permanecer unidos à videira que é Cristo e que, nele, deem frutos. “Ser cristão significa produzir os frutos da fé, do Evangelho. Por isso mesmo, nossa vida deveria estar todos os dias sempre voltada a produzir esses frutos”, disse.

Em seguida, Dom Odilo sublinhou a necessidade da perseverança e constância no testemunho de fé. “O ramo só ficará vivo se ele permanecer unido à videira. Se nós, como cristãos, não perseveramos na fé e na união com Cristo, nossa vida será vazia e morrerá”.

“Tudo isso nos é pedido neste tempo em que vivemos, de pandemia…. Como cristãos, não devemos desanimar. Devemos continuar firmes, a crer, a esperar, mas também a fazer a nossa parte. Sim! A produzir, nesta condição que estamos vivendo, os frutos da fé”, exortou o Cardeal, citando entre tais frutos o socorro e cuidado aos doentes, aos pobres, zelar pela própria saúde, dom de Deus.

Por fim, Dom Odilo pediu: “Que nós superemos este tempo com a presença e a intercessão de nossa mãe e padroeira, Nossa Senhora Aparecida”.

(Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

História de comunhão e devoção

Em 1717, quando foi encontrada a imagem da Padroeira do Brasil, todo o estado de São Paulo pertencia à então Diocese do Rio de Janeiro. Com a criação da Diocese de São Paulo, em 1745, que depois foi elevada a Arquidiocese, em 1908, Aparecida passou a fazer parte de seu território. Somente em 1958 foi criada, pelo Papa Pio XII, a Arquidiocese de Aparecida, tendo como primeiro Arcebispo o Cardeal Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta, até então Arcebispo de São Paulo.

Dom Duarte Leopoldo e Silva, em 1908, obteve do Papa Pio X a concessão do título Basílica Menor para a primeira igreja construída em 1745 em Aparecida, popularmente conhecida como Basílica Velha. Na ocasião, Dom Duarte também celebrou a dedicação do templo.

Até a chegada dos primeiros missionários redentoristas, em 1894, o atendimento pastoral e espiritual da Basílica de Aparecida ficou aos cuidados do clero da Diocese de São Paulo.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter