‘Nossa Senhora está atenta às dores e necessidades dos seus filhos’

Afirmou o Cardeal Odilo Pedro Scherer, durante a 120ª Romaria Arquidiocesana a Aparecida

‘Nossa Senhora está atenta às dores e necessidades dos seus filhos’
Dom Odilo Scherer preside missa no Santuário Nacional de Aparecida, em romaria arquidiocesana (foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa da 120ª Romaria Arquidiocesana a Aparecida, no domingo, 2.

Devido à pandemia de COVID-19, assim como no ano passado, a Eucaristia foi concelebrada pelos bispos auxiliares e alguns padres da Arquidiocese. Também participou um grupo de leigos e religiosos, representando as paróquias e comunidades das seis regiões episcopais, que se somou aos devotos e romeiros de diversos lugares em peregrinação ao Santuário Nacional.

Os fieis da Arquidiocese se uniram à romaria em comunhão e oração, de suas casas, acompanhando a celebração pelos meios de comunicação e mídias sociais.

LEIA TAMBÉM:
‘Com esperança, confiança e muita paciência, estamos aguardando a volta dos devotos’


Aparecida será um dos 30 santuários do mundo com orações do Papa pelo fim da pandemia

Casa da Mãe

Com o tema “A ti recorremos, Mãe Aparecida, nosso consolo e esperança”, a Igreja Particular de São Paulo peregrinou ao Santuário Nacional para colocar diante da padroeira do Brasil a vida, alegrias, sofrimentos e angústias da população da maior arquidiocese do País, que vive uma das fases mais críticas da pandemia.

‘Nossa Senhora está atenta às dores e necessidades dos seus filhos’
Cardeal Odilo Scherer (reprodução TV Aparecida)

“E tão bom voltar à casa da Mãe e, mais ainda, quando a vida está difícil, quando as coisas estão complicadas, como agora. Tanto problemas, tantas situações de sofrimento, dor, ansiedade, luto, mas, também, de esperança. Quantas coisas bonitas também estão acontecendo graças à força que vem da fé, da generosidade, da caridade”, manifestou Dom Odilo, na homilia.

O Cardeal recordou, ainda, que, nas horas difíceis, a mãe dá forças. “É isto que nós todos precisamos neste tempo. Nossa Senhora não está desatenta às dores e necessidades do seus filhos”, ressaltou.

Unidos à videira

Chamando a atenção para o Evangelho do 5º Domingo da Páscoa, o Arcebispo afirmou que a condição dos cristãos é permanecer unidos à videira que é Cristo e que, nele, deem frutos. “Ser cristão significa produzir os frutos da fé, do Evangelho. Por isso mesmo, nossa vida deveria estar todos os dias sempre voltada a produzir esses frutos”, disse.

Em seguida, Dom Odilo sublinhou a necessidade da perseverança e constância no testemunho de fé. “O ramo só ficará vivo se ele permanecer unido à videira. Se nós, como cristãos, não perseveramos na fé e na união com Cristo, nossa vida será vazia e morrerá”.

“Tudo isso nos é pedido neste tempo em que vivemos, de pandemia.... Como cristãos, não devemos desanimar. Devemos continuar firmes, a crer, a esperar, mas também a fazer a nossa parte. Sim! A produzir, nesta condição que estamos vivendo, os frutos da fé”, exortou o Cardeal, citando entre tais frutos o socorro e cuidado aos doentes, aos pobres, zelar pela própria saúde, dom de Deus.

Por fim, Dom Odilo pediu: “Que nós superemos este tempo com a presença e a intercessão de nossa mãe e padroeira, Nossa Senhora Aparecida”.

‘Nossa Senhora está atenta às dores e necessidades dos seus filhos’
(Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

História de comunhão e devoção

Em 1717, quando foi encontrada a imagem da Padroeira do Brasil, todo o estado de São Paulo pertencia à então Diocese do Rio de Janeiro. Com a criação da Diocese de São Paulo, em 1745, que depois foi elevada a Arquidiocese, em 1908, Aparecida passou a fazer parte de seu território. Somente em 1958 foi criada, pelo Papa Pio XII, a Arquidiocese de Aparecida, tendo como primeiro Arcebispo o Cardeal Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta, até então Arcebispo de São Paulo.

Dom Duarte Leopoldo e Silva, em 1908, obteve do Papa Pio X a concessão do título Basílica Menor para a primeira igreja construída em 1745 em Aparecida, popularmente conhecida como Basílica Velha. Na ocasião, Dom Duarte também celebrou a dedicação do templo.

Até a chegada dos primeiros missionários redentoristas, em 1894, o atendimento pastoral e espiritual da Basílica de Aparecida ficou aos cuidados do clero da Diocese de São Paulo.

Deixe um comentário