Orações e reflexões contra o tráfico, “uma ferida profunda”

Unidos em oração ao redor do mundo”. Hoje é celebrado o Dia Mundial de Oração e Reflexão contra o Tráfico de Pessoas, memória litúrgica de Santa Josefina Bakhita. Durante todo o dia será realizada uma maratona online para rezar juntos e lançar luzes sobre este triste fenômeno

Orações e reflexões contra o tráfico, “uma ferida profunda”, Jornal O São Paulo
Pixabay

As luzes das ruas, as dos faróis dos carros que param, ao lado das luzes apagadas do sonho de tantas jovens, que partiram com a esperança em seus corações e agora são obrigadas ao inferno. O Papa Francisco olhou para elas no último domingo no Angelus, 6, para recordar o Dia Mundial de Oração e Reflexão contra o Tráfico de Pessoas. “Uma ferida profunda”, disse o Papa, “infligida pela vergonhosa busca de interesses econômicos sem nenhum respeito pela pessoa humana”.

Tantas jovens – as vemos nas ruas – que não são livres, são escravas de traficantes, que as obrigam a trabalhar e, se não trazem dinheiro, as espancam. Isto é o que está acontecendo hoje em nossas cidades.

O Dia contra o Tráfico de Pessoas é celebrado no dia em que a Igreja recorda Santa Josefina Bakhita, símbolo universal do compromisso da Igreja contra o tráfico. Nascida em 1869 em uma aldeia de Darfur, no Sudão do Sul, ela já era escrava aos nove anos de idade. Seu nome ‘Bakhita’, imposto pelos comerciantes de escravos, significa ‘sorte’ mas é uma ofensa à sua dignidade. Bakhita saiu do buraco negro da violência e ultraje com a ajuda de Deus, que ela conheceu e encontrou na Itália. Tornou-se religiosa canossiana e, após sua morte, sua história de libertação é um sinal de esperança para todos.

A fragilidade das mulheres

Este ano, o tema do 8° Dia é “O poder do cuidado. Mulheres, economia e tráfico de pessoas”. De acordo com dados da ONU, meninas e mulheres representam 72% das vítimas de tráfico. Dois terços dos analfabetos do mundo são mulheres. Trinta por cento das mulheres jovens não estudam, trabalham ou frequentam cursos de formação. Enquanto que a pandemia contribuiu para aumentar exponencialmente os negócios do tráfico, as condições de vulnerabilidade para as pessoas com mais risco e as desigualdades entre homens e mulheres.

Unidos em oração ao redor do mundo

Das 9h às 17h, (horário italiano) será realizada uma maratona de orações online. Terá início na Oceania, Ásia e Oriente Médio, depois seguirá para a África, Europa, América do Sul e terminará na América do Norte. Será transmitida ao vivo via streaming em cinco idiomas: francês, inglês, italiano, português e espanhol. Contará com uma sucessão de testemunhos de homens e mulheres religiosos e consagrados, assim como sobreviventes, ativistas, voluntários, economistas e mulheres de negócios de mais de 30 países em todo o mundo. A iniciativa é promovida pela rede internacional antitráfico Talitha Kum, as Uniões Internacionais de Superiores e Superioras Gerais, em parceria com a Seção de Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral, a Caritas Internationalis, a União Mundial das Organizações Católicas de Mulheres, o Movimento dos Focolares, o Serviço Jesuíta aos Refugiados e muitas outras organizações em todo o mundo.

Uma onda de solidariedade

Acompanhar e proteger as vítimas do tráfico que são “muitas vezes invisíveis, mas são as mais vulneráveis”. Esta é a recomendação do Secretário Geral da Caritas Internationalis, Aloysius John, por ocasião deste Dia em que ele pede ações concretas para combater o fenômeno, exortando os governos a proteger as vítimas e estabelecer planos nacionais antitráfico. É um flagelo que envolve “homens, mulheres e crianças obrigados a realizar trabalhos forçados ou perigosos, ou explorados sexualmente”. “Alguns são levados à força, outros são inicialmente enganados, mas todos passam por condições terríveis”, afirma o secretário da Caritas Internationalis. O apelo é deter o tráfico enfrentando as causas profundas que obrigam as pessoas a fugir e expô-las ao risco de serem exploradas: pobreza extrema, também devido à mudança climática e à degradação ambiental, conflitos e violência. A outra recomendação é trabalhar por “uma economia inclusiva que permita às pessoas viver com dignidade em seus próprios países”.

Pandêmica, aliada do tráfico

A Comunidade Papa João XXIII também participará da maratona de oração; às 14h (horário italiano), uma família de Malmö, Suécia, fará um testemunho. Nos últimos meses, a Comunidade fundada por Don Oreste Benzi lançou três novos projetos em Modena, Savona e Rimini para ajudar as vítimas do tráfico. “Durante a pandemia”, explicam, “a prostituição mudou seu rosto, tornando-se cada vez mais invisível, deslocando-se para apartamentos, centros de bem-estar, centros de massagem. Apesar da Covid, continuamos acolhendo vítimas do tráfico que foram usadas para fins sexuais, de trabalho ou de mendicância”, explica Giovanni Paolo Ramonda, presidente da Comunidade Papa Giovanni XXIII. “Em 2021 ajudamos 100 pessoas, principalmente mulheres entre 24 e 27 anos de idade. Muitos foram levados para nossas casa-família por causa das marcas indeléveis que os traficantes e clientes deixaram neles e desenvolveram doenças psiquiátricas incapacitantes. Também continuamos a apoiar muitas mulheres em seu caminho para a autonomia, particularmente as mães”.

Fonte: Vatican Media

Deixe um comentário