Papa recebe grupo de detentos de uma das principais prisões de Roma

Cerca de 20 presos foram recebidos por Francisco na manhã desta segunda-feira, 21, na Casa Santa Marta, antes de seguirem em visita aos Museus do Vaticano. A notícia foi divulgada pela Sala de Imprensa da Santa Sé. Em abril, outro grupo participou da celebração eucarística por ocasião da Festa da Divina Misericórdia, também com o Papa

Vatican Media

O Papa Francisco recebeu na manhã desta segunda-feira, 21, na Casa Santa Marta, logo depois das 8h45, um grupo de 20 detentos do cárcere de Rebibbia, uma das principais prisões de Roma. Segundo comunicado da Sala de Imprensa da Santa Sé, eles fazem parte do terceiro instituto do complexo e estavam acompanhados pelo diretor, capelão e alguns funcionários que, em seguida, iriam visitar os Museus do Vaticano.

Rebibbia: 300 detentos toda semana na igreja

O cárcere de Rebibbia, fundado na década de 70, fica no bairro de mesmo nome na periferia nordeste da capital. Considerada uma das principais prisões de Roma, junto com a Regina Coeli, ela é dividida em quatro institutos autônomos para se cumprir diferentes penas: três para detenção de homens e um para mulheres – destinado inclusive para detentas mães, com os respectivos filhos pequenos, autorizados a viver com elas até os 3 anos de idade.

Segundo dados do Ministério da Justiça, atualizados neste mês de junho, o local tem capacidade para atender 1.163 pessoas, mas acolhe atualmente 1.260 detentos. O instituto penitenciário conta com quatro campos esportivos, sete bibliotecas, além de academias, teatro e local de culto. De fato, todos os domingos uma igreja central realizada celebrações religiosas para cerca de 300 detentos.

Papa: sejam misericordiosos

Por ocasião da Festa da Divina Misericórdia deste ano, em 11 de abril na Igreja do Espírito Santo em Sassia, próxima do Vaticano, o Papa Francisco presidiu a missa com a presença de detentos oriundos de três institutos penitenciários de Roma, como o de Rebibbia. Na homilia, o Pontífice aprofundou a reflexão sobre os três dons oferecidos por Jesus para que os discípulos obtenham a misericórdia:  a paz, o Espírito e as chagas.

Deixemo-nos ressuscitar pela paz, o perdão e as chagas de Jesus misericordioso. E peçamos a graça de nos tornarmos testemunhas de misericórdia. Só assim será viva a fé; e a vida unificada. Só assim anunciaremos o Evangelho de Deus, que é Evangelho de misericórdia.”

Ao final da celebração eucarística, ao rezar a oração mariana do Regina Coeli, o Papa saudou os presentes, entre enfermeiros, pessoas com deficiência, refugiados, migrantes e os próprios detentos:

“Vocês representam algumas realidades nas quais a misericórdia se torna concreta, torna-se proximidade, serviço, atenção às pessoas em dificuldade. Desejo que vocês se sintam sempre misericordiados para, por sua vez, serem misericordiosos.”

(Com informações de Vatican News)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter