Papa visita o Grande Aiatolá Al-Sistani

Papa visita o Grande Aiatolá Al-Sistani
Papa Francisco e Grande Aiatolá Al-Sistani (Foto: Vatican Media)

O segundo dia do Papa Francisco no Iraque, neste sábado, 6, começou com uma viagem até Najaf, onde se encontrou com o Grande Aiatolá Sayyid Ali Al-Husayni Al-Sistani, líder da comunidade xiita iraquiana.

De acordo com o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, durante a visita de cortesia, que durou cerca de 45 minutos “o Santo Padre sublinhou a importância da colaboração e da amizade entre as comunidades religiosas para que, cultivando o respeito mútuo e o diálogo, se possa contribuir para o bem do Iraque, da região, de toda a humanidade”.

“O encontro foi uma ocasião para o Papa agradecer ao Grande Aiatolá Al-Sistani porque, junto com a comunidade xiita, diante da violência e das grandes dificuldades dos últimos anos, levantou sua voz em defesa dos mais fracos e perseguidos, afirmando a sacralidade da vida humana e a importância da unidade do povo iraquiano”, acrescentou Bruni.

Ao despedir-se do Grande Aiatolá, o Francisco reiterou a sua oração a Deus, Criador de todos, por um futuro de paz e fraternidade para a amada terra iraquiana, para o Médio Oriente e para todo o mundo.

LEIA TAMBÉM:
Iraque: berço das civilizações que professam a fé no Deus único

Papa no Iraque: ‘Venho como penitente que pede perdão… venho como peregrino da paz’

Francisco pede esperança, unidade e zelo pastoral para a Igreja no Iraque

Papa em Ur: hostilidade, extremismo e violência ‘são traições da religião’

O que esperar da viagem do Papa ao Iraque?

Grande Aiatolá Al-Sistani

Nascido em 4 de agosto de 1930 em Mashhad, no Irã, é o líder da comunidade xiita iraquiana e diretor da hawza (ou do seminário religioso xiita Twelver) de Najaf. Filho de uma importante família religiosa, ele estudou o Alcorão desde pequeno; aos vinte ele deixa o Irã para continuar sua formação no Iraque, tornando-se discípulo do Grande Aiatolá Abu al-Qasim al-Khoei em Al-Najaf e conquistanto, ao longo do tempo, o respeito também dos sunitas e curdos. Sua interpretação da revelação islâmica silenciosa, que prega a abstenção das autoridades religiosas das atividades políticas diretas, o leva a ser um interlocutor reconhecido por diversas correntes políticas.

Em 2004, ele apoiou eleições livres no Iraque, dando assim uma importante contribuição para o planejamento do primeiro governo democrático em País, enquanto em 2014 convida os iraquianos a se unirem para lutar contra o autoproclamado Estado islâmico.

Mais recentemente, em novembro de 2019, quando a população saiu às ruas em sinal de descontentamento contra o alto custo de vida e a instabilidade política nacional, Al-Sistani convida manifestantes e policiais a permanecerem calmos e não recorrerem à violência.

Posteriormente, ele pede a renúncia do governo e a reforma eleitoral. Seus pedidos são aceitos: o primeiro-ministro Adel Abdul Mahdi renuncia pouco depois, enquanto em dezembro o Parlamento aprovou a reforma eleitoral.

Papa visita o Grande Aiatolá Al-Sistani
Pomba, símbolo da paz, é solta durante visita do Papa a Najaf (Foto: Vatican Media)

A residência do Grande Aiatolá Sayyid Ali Al-Husayni Al-Sistani está localizada dentro do Santuário do Imame ‘Ali ou Mesquita do Imām ʿAlī, considerada pelos xiitas o terceiro lugar sagrado do Islã, depois da Mesquita Sagrada de Meca e a Mesquita do Profeta de Medina. A primeira estrutura de mesquita – construída no túmulo de ʿAlī, primo e genro de Maomé e primeiro homem a ser convertido ao islamismo – é caracterizada por uma cúpula verde, que remonta ao ano 786. Os xiitas acreditam que em seu interior também tenham sido sepultados Adão, Eva e Noé.

Encontro histórico

É a primeira vez que o Papa Francisco tem um encontro nesta modalidade com um expoente do Islã xiita, visto já ter estreitado laços com uma das mais altas autoridades do Islã sunita, o Grão Imame de Al-Azhar, Ahmed al-Tayyeb, com quem compartilhou em Abu Dhabi a assinatura do Documento sobre a Fraternidade Humana em prol da Paz e da Convivência Comum.

“A fé leva o crente a ver no outro um irmão que se deve apoiar e amar. Da fé em Deus, que criou o universo, as criaturas e todos os seres humanos – iguais pela Sua Misericórdia –, o crente é chamado a expressar esta fraternidade humana, salvaguardando a criação e todo o universo e apoiando todas as pessoas, especialmente as mais necessitadas e pobres”, diz a primeira parte do Documento de Abu Dhabi.

(Com informações de Vatican News)

Deixe um comentário