Confira nossa versão impressa

‘O que ligares na terra será ligado nos céus’

21º Domingo do Tempo Comum 23 DE AGOSTO DE 2020

O Filho de Deus veio ao mundo para restabelecer a ligação entre terra e Céu. A natureza divina uniu-se admiravelmente à natureza humana no momento em que Ele se encarnou no ventre da Virgem Maria. Deuse, então, a união a que chamamos “hipostática”: humanidade e divindade foram unidas sem confusão e distintas sem separação na única Pessoa de Cristo. Ele é perfeito Deus e perfeito homem. Crendo Nele, cremos em Deus; adorando-O, adoramos a Deus; unidos a Ele, unimo-nos a Deus; conhecendo-O, conhecemos o próprio Deus.

Esse “casamento” entre divindade e humanidade, que se dá em Cristo, transborda para a vida dos cristãos. O chamado “estado de graça santificante” consiste numa participação nessa união entre Céu e terra que ocorre na Pessoa de Jesus. Quem é batizado e está livre de pecado mortal, se liga a Deus por meio Dele, o Mediador entre o Céu e a terra! Na missa, enquanto põe uma gota d’água no cálice, o sacerdote recorda esta realidade: “Pelo mistério desta água e deste vinho, possamos participar da divindade do vosso Filho, que se dignou assumir a nossa humanidade”.

O Senhor morreu na Cruz para propagar a todo o mundo essa nova “ligação”. Suspenso entre o céu e a terra, com os braços abertos em atitude de Sacerdote eterno, Ele se colocou como “ponte” – Pontífice – entre os homens e Deus. Por isso, instituiu o sacerdócio e a Eucaristia na Última Ceia. A missa é o intercâmbio de dons no qual oferecemos pão, vinho, nossos trabalhos, alegrias, dores, orações; e Cristo, por sua vez, oferece-se a Si mesmo e apresenta nossas oferendas ao Pai. Ela perpetua o Sacrifício e a Presença do Senhor, qual verdadeira “escada de Jacó” que eleva a terra ao Céu e traz o Céu à terra.

A Igreja existe para ligar os homens a Deus! Isso se dá pela pregação do Evangelho; a transmissão da doutrina da fé; o perdão dos pecados no Batismo e na Confissão; as orações por vivos e mortos; as indulgências… Os apóstolos e, de modo especial, São Pedro – que tem primazia entre os Doze – foram enviados para levar a todos a comunhão que eles já possuíam com o Mestre. A Pedro, o Senhor disse: “Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus; e tudo o que desligares na terra, será desligado nos céus” (Mt 16,19).

Como consequência misteriosa da união entre Céu e terra realizada em Cristo, a comunhão com o Altíssimo agora passa também pela comunhão com Pedro, os Apóstolos e seus legítimos sucessores. Sem a comunhão com sujeitos visíveis de carne e osso, não subiríamos às alturas do Deus invisível. O “poder das chaves”, dado a Pedro e aos sucessores, lhes permite perdoar ou reter; ligar ou desligar; acolher ou excomungar; confirmar ou anatematizar. Não se trata de um “pedágio” para o Céu, tampouco de um exercício arbitrário de autoridade. É um encargo pesadíssimo que tem como fim exercer a justiça e a misericórdia de Deus já na terra, com verdade, com temor, e em vista da eternidade.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Cardeal Scherer: ‘Fratelli tutti é uma síntese amadurecida de todo o ensino social da Igreja’

O Arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, participou de mais uma edição do evento Diálogos com a Cidade, na quarta-feira, 25. Promovido pelo...

Em reunião, CRP concretiza Plano de Ação Pastoral 2021

Dom Luiz Carlos Dias, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Belém, incentivou uma reflexão sobre o atual momento da sociedade e a atuação das...

Vatican News lança subsídio inspirado na vivência do Advento

A partir do próximo domingo, 29, e até o dia 24 de dezembro, internautas poderão acessar os conteúdos produzidos pelo Vatican News, o portal...

Uma nova tecnologia para o tratamento de esgoto na cidade

Microestação compacta poderá ofertar saneamento básico de qualidade às regiões carentes de São Paulo Maior cidade do Brasil, São Paulo possui 12,3 milhões de habitantes....

Dez dias de fé e devoção a Santa Cecília

Festa da padroeira aconteceu entre os dias 13 e 22 A Paróquia Santa Cecília celebrou a festa da padroeira entre os dias 13 e 22....

Newsletter