Confira nossa versão impressa

Servo bom e fiel!

33º Domingo do Tempo Comum

Um homem viajou para o estrangeiro para voltar “depois de muito tempo”. Antes, porém, encarregou três servos de administrar seus bens, dando-lhes cinco, dois e um “talento” (Mt 25,14-30). O talento era uma alta soma de dinheiro, correspondente a 6 mil jornadas de trabalho. 

Trata-se de uma alegoria de Jesus Cristo. Ele cumulou-nos de muitos bens corporais e espirituais e subiu aos Céus para retornar no último dia. O senhor da parábola deu talentos “a cada um de acordo com a sua capacidade”. Também Deus concedeu a cada qual uma capacidade para fazer o bem. Aqui não vale a falsa modéstia ou o orgulho; o Senhor não exige nem mais nem menos do que podemos dar. Quer um aproveitamento proporcional ao que Ele mesmo encarregou.

No retorno, o homem “acertou contas” com os servos. Aquele que recebera cinco devolveu mais cinco e, o que recebera dois, mais dois. Como prêmio pelo investimento, mereceram “entrar na alegria do senhor”. E não lhes foram poupados elogios: “Servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais”. Com coragem e diligência, não retiveram o tesouro para si, mas o fizeram multiplicar. 

Aquele que tinha apenas um talento, contudo, escondeu-o e devolveu a mesma quantia. Antes que o patrão fizesse qualquer repreensão, foi logo se justificar. Justificar-se é uma atitude imatura; é a autodenúncia da consciência que sabe estar errada, mas tenta terceirizar a responsabilidade. Nesse caso, o servo tenta culpar o próprio senhor pelo fracasso: “És um homem severo. Por isso, fiquei com medo e escondi o teu talento no chão”.  

O patrão, que dera tantos bens de acordo com a capacidade de cada um, não aceitou a escusa! A falta de confiança e a inação do servo, além de denegrir e prejudicar o senhor, não poderiam merecer louvor. Assim, em vez do elogio, fez a dura repreensão: “Servo mau e preguiçoso!”. O talento inutilizado é, então, dado àquele que já tinha dez. A parábola, assim, adverte-nos contra o perigo da omissão causada pela preguiça ou pelo medo. 

Há quem, por comodismo e falsa humildade, alegue não conseguir seguir avante e não ter capacidade para dar os passos necessários na vida, na família, no trabalho ou na prática da vida cristã. “Sou fraco”, “sou burro”, “sou pobre”, “sou doente”, “sou feio”, entre outras, são justificativas que “não colam”. É preciso rezar e trabalhar com confiança! Mesmo limitados, possuímos um tesouro que não pode ser retido. Basta-nos a graça!

Além disso, há quem, por escrúpulos, fique paralisado. O medo de errar, o perfeccionismo, o orgulho ou a autocrítica exagerada levam muitos a desperdiçar capacidades e oportunidades, e a perder alegria de trabalhar para o Senhor. Lutar para ser “bom e fiel” não é fácil. É uma aventura, porém, que vale a pena! Mais do que para o perigo, olhemos para o Senhor! Mais do que para a nossa pequenez, olhemos para os seus dons! Mais do que no risco do castigo, pensemos no grande prêmio que Ele confiará a quem for fiel no pouco! 

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Dom Jorge Pierozan conclui visitas pastorais na Região Santana

O Bispo celebrou na Paróquia Santa Joana D’Arc, no  Setor Pastoral Tremembé No domingo, 29 de novembro, Dom Jorge Pierozan, Bispo Auxiliar de São Paulo...

Paróquia Nossa Senhora das Graças realiza festa da padroeira na Brasilândia

As festividades foram encerradas com uma procissão luminosa e missa solene Com o tema “Maria, mãe da consolação e de todas as graças”, foi celebrada...

Governo cria Comitê Interministerial de Doenças Raras

Decreto está publicado hoje no Diário Oficial da União O governo federal criou o Comitê Interministerial de Doenças Raras, que funcionará no âmbito do Ministério...

Primeira pregação do Advento, Catalamessa: “irmã morte é fonte de vida eterna”

Nesta primeira sexta-feira do Advento, 4, iniciaram as meditações do pregador da Casa Pontifícia Raniero Cantalamessa, criado cardeal pelo Papa Francisco no Consistório de...

A pandemia ainda não acabou!

São Paulo registra alta de casos de COVID-19. Parte da população aparenta ter se descuidado das recomendações sanitárias de segurança contra o vírus

Newsletter