Ucrânia, Putin reconhece as repúblicas separatistas. Sanções dos EUA

Presidente Putin /Portal Oficial da Federação Russa (Kremlin)

Aceleração da crise após o discurso do presidente russo à nação. Tropas de Moscou foram enviadas através da fronteira, enquanto a comunidade internacional prepara contra-medidas diplomáticas. Permanece aberta a porta do diálogo invocada pelo Papa Francisco, para quem a guerra é “uma loucura”.

Falando à nação na segunda-feira à noite, o presidente russo Vladimir Putin assinou um decreto reconhecendo as repúblicas separatistas ucranianas de Lugansk e Donetsk no Donbass. O chefe do Kremlin também enviou forças armadas para a região, formalmente para garantir a paz. A resposta clara de Kiev: não entregaremos um único metro de nosso país.

O discurso de Putin

“A Ucrânia faz parte da história, cultura e religião da Rússia”, disse Putin à nação. “A situação em Donbass”, continuou ele, “é novamente crítica” e “é por isso que são necessárias decisões urgentes”. Daí a decisão do presidente de acolher os pedidos da Duma e dos membros do Conselho de Segurança da Federação Russa e de reconhecer imediatamente a independência das duas repúblicas separatistas de Kiev. O chefe do Kremlin então apontou que nos documentos oficiais da Aliança Atlântica, a Rússia é indicada como a principal ameaça à segurança euro-atlântica. Os Estados Unidos e a OTAN, disse ele, agora agem considerando a Ucrânia como um teatro de potencial ação militar. “Os sistemas de comando ucranianos”, observou Putin, “estão agora integrados com os da Aliança Atlântica”.

As primeiras sanções dos EUA

Entre as primeiras reações ao discurso de Putin foram as dos Estados Unidos e do presidente Joe Biden, que escolheu o caminho da proporcionalidade, impondo sanções apenas às duas províncias separatistas reconhecidas como independentes por Putin. Isto foi feito para não minar a unidade com os aliados europeus que são mais cautelosos porque dependem do fornecimento de gás russo, e também para manter aberto o vislumbre de uma retomada do diálogo diplomático, talvez com o possível encontro na quinta-feira entre o Secretário de Estado Blinken e o Ministro das Relações Exteriores Lavrov. Já hoje, Washington provavelmente imporá mais sanções, desta vez dirigidas contra Moscou. O primeiro alvo são os bancos russos para isolá-los e torná-los impossíveis de operar. Mas há uma escalada de medidas que já está pronta para entrar em vigor, desde o bloqueio das exportações de tecnologia, até a exclusão do sistema SWIFT para transações internacionais, com a energia e as punições pessoais para os oligarcas em segundo plano. O discurso de Putin foi interpretado como uma ameaça de invasão de toda a Ucrânia, mas as preocupações também se aplicam aos ex-países do Pacto de Varsóvia que agora fazem parte da OTAN e, portanto, protegidos pelo artigo 5, que estipula a obrigação de defesa mútua. Washington está convencido de que Moscou está lançando um desafio a todo o sistema ocidental e a resposta não pode mais ser adiada.

Reunião noturna do Conselho de Segurança da ONU

Mas é toda a comunidade internacional que está trabalhando nestas horas para tentar enfrentar esta nova fase da crise na Ucrânia. “O risco de um grande conflito é real e deve ser evitado a todo custo”, disse a subsecretária geral da ONU Rosemary Di Carlo na abertura da reunião do Conselho de Segurança da ONU durante a noite. Não faltou a resposta do embaixador de Kiev no “Palácio de Vidro”, que salientou que “as fronteiras da Ucrânia permanecem ‘imutáveis’, independentemente das recentes ações da Rússia”. Permanecemos abertos à diplomacia”, respondeu o embaixador russo na ONU, “entretanto”, acrescentou, “não temos intenção de permitir um banho de sangue no Donbass”. Entretanto, a Aliança Atlântica reiterou a responsabilidade da Rússia em “continuar a alimentar o conflito no leste da Ucrânia, tentando encenar um pretexto para invadir o país”. Hoje, sobre a mesa da União Europeia, chegam as primeiras propostas de sanções contra Moscou, também promovidas por Bruxelas, em linha com Washington.

As palavras do Papa sobre a crise

Resta um vislumbre de oportunidade para o diálogo, muito invocado pelo Papa nas últimas semanas. A última intervenção de Francisco neste sentido são as palavras pronunciadas no Angelus do último domingo, quando ele lamentou a grande tristeza de ver “pessoas e povos orgulhosos de serem cristãos que veem os outros como inimigos e pensam em fazer guerra uns contra os outros”! Mas outras vezes, em tempos recentes, Francisco havia mencionado o país do leste europeu:

“Caros irmãos e irmãs, as notícias provenientes da Ucrânia são muito preocupantes. Confio à intercessão da Virgem Maria, na consciência dos líderes políticos, todos os esforços pela paz. Vamos rezar em silêncio”.

Palavras que parecem ter sido ditas esta manhã e que se referem ao Angelus de 13 de fevereiro. Alguns dias antes, em 9 de fevereiro, no final da catequese da audiência geral o Papa também se referiu ao Dia de Oração proposto pelo Santo Padre para o dia 26 de janeiro,

“Gostaria de agradecer a todas as pessoas e comunidades que se uniram em oração pela paz na Ucrânia em 26 de janeiro. Continuemos a implorar ao Deus da paz, que tensões e ameaças de guerra possam ser superadas através de um diálogo sério e que as conversações no formato Normandia também possam contribuir para isso: A guerra é uma loucura”.

Fonte: Vatican News

Deixe um comentário