Confira nossa versão impressa

‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’

Na tarde deste sábado, 15, na Catedral da Sé, o Cardeal Scherer presidiu missa na abertura da semana dedicada à vocação dos religiosos e religiosas

‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’
Religiosas recebem a Eucaristia durante missa na Catedral da Sé, no sábado, 15, em missa presidida pelo Cardeal Scherer (Fotos: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

Na vigília da Solenidade da Assunção de Nossa Senhora, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, presidiu missa na tarde deste sábado, 15, na Catedral da Sé, com a participação de religiosos e religiosas, por ocasião da abertura da semana dedicada à vida religiosa consagrada na Igreja do Brasil, que se inicia no terceiro domingo de agosto, o mês das vocações.

A missa teve entre os concelebrantes Dom Jorge Pierozan e Dom José Benedito Cardoso, Bispos Auxiliares da Arquidiocese de São Paulo, e o Padre Rubens Pedro, OMI, Coordenador do Regional São Paulo da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB-SP).

No início, Dom Odilo comentou que a celebração se inseria no tríduo preparatório da Solenidade de Nossa Senhora da Assunção, padroeira da Catedral da Sé, e também ocorria na intenção dos falecidos e contaminados pela COVID-19 no Brasil, em ação de graças pelos que se recuperaram da doença e, ainda, no contexto do dia de tomada de consciência do Pacto pela Vida e pelo Brasil, firmado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e outras organizações da sociedade, com vistas a ajudar o povo brasileiro a defender a vida, a valorizá-la e se conscientizar da gravidade do momento atual do País.

Maria: a grande consagrada

Na homilia, o Arcebispo de São Paulo recordou que Nossa Senhora foi a grande consagrada a Deus, pois colaborou plenamente com a obra divina, sendo, por isso, associada a Jesus na glória celeste, ao ser elevada ao céu em corpo e alma: “É essa verdade de fé que lembramos hoje, nesta festa da Assunção. Maria é para nós e para toda a humanidade, um grande sinal de esperança, grande sinal do que Deus prepara para todos que o amam e o acolhem na fé”.

O Arcebispo afirmou que aqueles que se consagram à vida religiosa devem viver como a Virgem Maria, anunciando a esperança fundada no Evangelho e nas promessas de Jesus, e com a meta, assim como todos os cristãos, de chegar onde Maria já está, na plenitude da vida e da redenção.

“Os consagrados, nos diversos carismas da vida religiosa, se consagram para testemunhar aos seus irmãos e ao mundo, a vida nova que vem do Evangelho e que já neste mundo é possível, mesmo que ainda não em plenitude”, disse Dom Odilo.

Sinais de esperança nas situações de crise

O Arcebispo de São Paulo recordou, ainda, que muitas congregações religiosas surgiram como uma resposta da Igreja às urgências próprias de diferentes momentos da história, para anunciar o Evangelho e exercer a caridade cristã junto aos pobres, órfãos, doentes, jovens, nas realidades do mundo da educação, diante dos anseios das famílias, e para cuidar da evangelização e da liturgia, além da vida religiosa contemplativa.

‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’

Dom Odilo lembrou que nos momentos de dificuldades, a vida religiosa consagrada foi capaz de se renovar e que no atual também é tempo para mudanças.

“Hoje vivemos diversas crises – na sociedade, na cultura, na moral, na economia, na politica, na saúde e em outras situações que afligem a humanidade. Será que podemos esperar o ressurgir da vida religiosa também neste tempo, segundo a lógica da ação do Espírito Santo? Eu acredito que sim! E acredito mais ainda porque a vida consagrada religiosa é, na Igreja, testemunha da esperança, por meio dos votos da vida consagrada, baseados na esperança do Evangelho, na esperança dos grandes bens da redenção e da vida eterna”, afirmou, exortando os religiosos a ser testemunhas da esperança, baseada na Palavra de Deus e na vida de Jesus Cristo.

Dom Odilo apontou, ainda, que em Maria elevada ao céu já é possível ver realizada a esperança cristã: “Ela enfrentou as dificuldades e crises sem perder o rumo, sem perder a fé, confiando plenamente e se dedicando Àquele a quem ela disse o seu sim e nele perseverou até o fim”.

O Arcebispo também revelou estar feliz em ver o trabalho perseverante das comunidades religiosas e das novas formas de vida consagrada que estão ao lado dos pobres, dos doentes e dos necessitados e, assim, continuam a testemunhar a caridade de Cristo, a misericórdia de Deus e a esperança cristã.

A exemplo dos fundadores

Antes do término da missa, o Padre Rubens manifestou sua solidariedade às congregações que tiveram religiosos mortos em razão da COVID-19, agradeceu a Deus por aqueles que se recuperaram, parabenizou os consagrados que estão exercitando a criatividade para manter as atividades das congregações e desejou que os mais jovens continuem encantados pela vida religiosa.

“Deus está nos dando a oportunidade de experimentar os nossos carismas do jeito que os nossos fundadores experimentaram, pois eles viveram situações de crise, enquanto nós, muitas vezes, pegamos o barco já colocado no porto, mais confortável, que nos permitiu viver de uma maneira simples. Agora, porém, o desafio é maior e, certamente, a renovação da nossa fé vai acontecer”, ressaltou o Coordenador da CRB-SP.

Por fim, Dom Odilo exortou os religiosos a permanecer firmes em seus trabalhos e carisma e pediu que rezem pelas vocações sacerdotais e religiosas consagradas, bem como pelos matrimônios, uma vez que é nas famílias, abertas à transmissão da vida, que podem surgir vocacionados.

LEIA TAMBÉM

Na Assunção de Nossa Senhora, encontramos um grande sinal de esperança

FOTOS DA MISSA COM OS RELIGIOSOS CONSAGRADOS NA CATEDRAL DA SÉ – 15/08/2020

(Créditos: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’
‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’
‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’

‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’
‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’
‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’
‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’

‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’

‘A vida religiosa consagrada é, na Igreja, testemunha da esperança’

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Seminário Redemptoris Mater São Paulo Apóstolo comemora dez anos de origem

Na última quarta-feira, 16, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo presidiu a missa pelos...

Cresce entre os católicos a prática da Leitura Orante da Bíblia

Nos últimos anos, muitos têm redescoberto uma das práticas mais antigas do Cristianismo, a Lectio Divina, método pelo qual a pessoa vive...

Estação de trem em São Paulo recebe lixo eletrônico

Projeto visa conscientizar sobre descarte correto. Os equipamentos recolhidos serão reciclados e depois serão doados para alunos de escolas públicas

Rede Eclesial Pan-Amazônica tem novo Secretário Executivo

Anúncio foi feito durante coletiva de imprensa on-line, realizada na segunda-feira, 14, em celebração pelos seis anos de criação da entidade

Semana Nacional de Trânsito foca a preservação de vidas

A meta é conscientizar a população sobre a importância da mudança de atitude, ressaltando que cada um é responsável pela segurança de...

Newsletter