Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo

Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo
Cardeal Odilo Scherer e novos diáconos ordenados no sábado, 21, na Catedral da Sé (Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a ordenação de cinco novos diáconos permanentes para a Arquidiocese no sábado, 21. A liturgia, celebrada na Catedral da Sé, aconteceu no contexto das comemorações dos 20 anos da instituição do diaconato permanente na Igreja em São Paulo.

O diaconato é o primeiro grau do sacramento da Ordem – seguido do presbiterato (padres) e do episcopado (bispos). Receberam este ministério os candidatos Durval Bueno, José Mário Garcia Corral, João Gundes de Barros, Marcel Alves Martins e Nelson da Silva.

Na homilia, Dom Odilo afirmou que essa era ocasião de dar graças a Deus por todos os frutos colhidos nas duas décadas de diaconato permanente na Arquidiocese, especialmente pelo trabalho dos formadores e pelo ministério exercido por todos os diáconos ordenados nesse período.

Servidores

Recordando a liturgia da Solenidade de Cristo Rei, o Arcebispo salientou que o reinado de Jesus se manifesta por meio do serviço e sublinhou que os diáconos, de modo particular, são chamados a estarem atentos àqueles que mais necessitam da misericórdia de Deus.

“O serviço diaconal se inspira em Jesus, servidor da humanidade, que nos chamou a imitar o seu exemplo”, acrescentou Dom Odilo, enfatizando que os diáconos são, por vocação, “animadores da caridade”. “Vocês são chamados a praticar as obras de misericórdia em primeira pessoa, mas também a ajudar toda a comunidade eclesial a promovê-las”, reforçou.

Em seguida, Dom Odilo chamou a atenção para as funções próprias do diaconato, descritas no ritual de ordenação. “Fortalecidos com o dom do Espírito Santo, os diáconos deverão ajudar o Bispo e seu presbitério no serviço da Palavra, do altar da caridade, mostrando-se servos de todos”, disse. “Amparados por Deus, procedam de tal modo em seu ministério que possam reconhecê-los como verdadeiros discípulos daquele que não veio para ser servido, mas para servir”, acrescentou.

Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo
(Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

Diaconato 

O serviço dos diáconos é documentado desde os tempos apostólicos, como relata o livro dos Atos dos Apóstolos (6,1-6) sobre a instituição dos sete homens encarregados do serviço à Palavra, às mesas e aos necessitados.

Diferentemente dos padres e bispos, os diáconos não presidem a Eucaristia (missa), a Reconciliação (Confissão) e a Unção dos Enfermos, mas podem ministrar o sacramento do Batismo, abençoar matrimônios. Além disso, colaboram na formação catequética dos fiéis, no acompanhamento das famílias e na organização dos serviços caritativos da comunidade.

O diaconato foi florescente na Igreja do Ocidente até o século V. Depois, por várias razões, acabou por permanecer como etapa intermediária para os candidatos à ordenação sacerdotal. O Concílio Vaticano II (1962-1965) estabeleceu que o diaconato pudesse ser restaurado como grau próprio e permanente da hierarquia e conferido a homens de idade madura, também casados. Em 1967, o Papa Paulo VI estabeleceu as regras gerais para a restauração do diaconato permanente por meio da carta apostólica Sacrum diaconatus ordinem.

Na Arquidiocese

A Arquidiocese de São Paulo já havia tido a experiência da ordenação do Diácono permanente Aury Azélio Brunetti, em 1972, pelo Cardeal Paulo Evaristo Arns, então Arcebispo. No entanto, o diaconato permanente não havia sido implantado oficialmente em São Paulo. Em 2011, aos 80 anos, ele foi ordenado Sacerdote, após ficar viúvo.

Durante quase 30 anos, Aury Brunetti foi o único diácono permanente na Arquidiocese e um dos incentivadores para que esse ministério passasse a ser instituído em caráter oficial com uma formação sistematizada. Isso foi feito por Dom Cláudio Hummes, Arcebispo à época, que instituiu a Escola Diaconal em 19 de agosto de 2000.

A primeira grande turma de diáconos permanentes da Arquidiocese, 24 no total, recebeu a ordenação em 4 de dezembro de 2005. Antes disso, entre 2002 e 2005, houve a ordenação de cinco candidatos que já possuíam formação e experiência pastoral para exercerem esse ministério. Atualmente, a Igreja em São Paulo possui 103 diáconos permanentes.

Para ser diácono permanente na Arquidiocese, o candidato deve ter a partir de 35 anos de idade e cinco de vida matrimonial. Durante o período de formação, realizam o curso integrado de Filosofia e Teologia por cinco anos. Ao concluírem o período de estudos, os candidatos realizam mais um ano de vivência pastoral em diferentes âmbitos, como em hospitais, nos cemitérios e no serviço aos mais pobres.

Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo
(Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

Gratidão

“Estamos aqui, em primeiro lugar, para agradecer a Deus o ministério do diaconato permanente, dom do Espírito Santo para esta Arquidiocese. Pedimos ao Senhor da messe que continue sendo generoso e não se esqueça desta cidade, onde Ele habita, e envie para nós santos diáconos segundo o seu coração e que, por amor, estejam a serviço das necessidades espirituais do povo”, manifestou o Reitor da Escola Diaconal, Padre Fernando José Carneiro Cardoso.

Em nome dos diáconos permanentes da Arquidiocese, o Diácono Marcio José Ribeiro, agradeceu a todos aqueles que fazem parte da história da Escola Diaconal. Dirigindo-se ao Arcebispo, ele ressaltou que Dom Odilo não mede esforços para promover o diaconato permanente. “Sua motivação para atuarmos nos hospitais, cemitérios, casas de caridade dá um impulso maior para que o diaconato verdadeiramente esteja em ação nas três dimensões próprias: serviço da Palavra, do altar e da caridade. Sua confiança no diaconato permanente demonstra o amor para com todos nós!”, manifestou.  

Conheça os novos diáconos permanentes da Arquidiocese:

Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo
Durval Bueno: 68 anos, casado há 34 anos e tem duas filhas
Paróquia de origem: Santo Antônio dos Bancários – Região Episcopal Santana
Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo
José Mário Garcia Corral: 61 anos, casado há 35 anos e tem um filho
Paróquia de Origem: Nossa Senhora de Lourdes – Região Episcopal Ipiranga
Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo
João Gundes de Barros: 66 anos, casado há 37 anos, tem quatro filhos
Paróquia de origem: Bom Pastor – Região Episcopal Brasilândia
Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo
Marcel Alves Martins: 36 anos, casado há 11 anos e tem uma filha
Paróquia de Origem São Miguel Arcanjo – Região Episcopal Belém
Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo
Nelson da Silva: 62 anos, casado há 35 anos, tem uma filha
Paróquia de origem: Nossa Senhora do Retiro – Região Episcopal Brasilândia

Notícias relacionadas

Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter