São Pedro e São Paulo

SOLENIDADE DE SÃO PEDROE SÃO PAULO 28 DE JUNHO DE 2020

A Divina Providência conduziu até Roma – então considerada como “centro do mundo” – dois homens que, dotados de histórias e características diversas, tinham em comum o amor a Cristo e o desejo de torná-lo amado em toda a terra. E porque eles ali sofreram o martírio de sangue, Roma é ainda hoje a “Sede Apostólica”, cujo Bispo é o Papa, legítimo sucessor de São Pedro. Por suas ruas e templos, cristãos de todo o mundo se sentem em casa. Congregações e ordens religiosas têm lá suas sedes gerais. Católicos de todos os continentes ali se encontram para fazer a sua “romaria” e “ver Pedro”.

São Pedro foi um dos primeiros a seguir Jesus. Recebeu o nome de “Pedra” (“Cefas”), pois deveria, como uma rocha, sustentar toda a Igreja, já que o Senhor lhe entregou “as chaves do Reino dos Céus”. Na Última Ceia, Jesus lhe mandou “confirmar os irmãos” e, depois da Ressurreição, lhe ordenou: “Apascenta as minhas ovelhas”. Pedro andou sobre as águas, presenciou a ressurreição da filha de Jairo, contemplou a Transfiguração e esteve com Cristo no Getsêmani… Quando muitos discípulos abandonavam o Senhor, escandalizados pelo anúncio de que deveriam comer a sua Carne na Eucaristia, foi Pedro quem disse: “A quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna”! Foi o primeiro a reconhecer, inspirado pelo próprio Deus, que Jesus é “o Messias, o Filho do Deus vivo”. A Pedro foi confiado o apostolado com os judeus.

São Paulo, ao contrário, fora um tenaz perseguidor da Igreja. Conheceu Jesus somente depois da Ressurreição, quando caiu por terra a caminho de Damasco. Considerava-se, por isso, como “um abortivo”. Os seus pecados do passado, porém, o incentivaram a trabalhar com um afinco ainda maior, a ponto de afirmar: “O amor de Cristo nos impele”! e “Eu trabalhei mais do que todos; mas não eu, a graça de Deus em mim”! Comprovou por meio de ações as suas próprias palavras segundo as quais “onde abundou o pecado, superabundou a graça”. Frases como “não sou eu quem vive, é Cristo que vive em mim”, “considero tudo como esterco, para ganhar Cristo”, “para mim, o viver é Cristo” ou “quem nos separará do amor de Cristo?!” poderiam brotar somente de um coração apaixonado como o seu. A ele incumbiu o apostolado com os pagãos.

Pedro morreu na cruz e Paulo pela espada, unidos na mesma caridade e no mesmo Senhor. São invocados juntos, pois seu sangue consagrou o solo de Roma e fez com que se tornasse a “caput mundi” – “capital do mundo” –, sob o ponto de vista espiritual. Segundo um antigo mito, Roma teria surgido a partir dos irmãos Remo e Rômulo. Segundo a verdade cristã, a Roma católica – universal – surgiu do sangue dos irmãos de fé São Pedro e São Paulo. Eles “refundaram” espiritualmente a Cidade Eterna, que passou a dar “cidadania” a todos os membros da família de Deus. Não chegaram a ver os frutos de seu suor e de seus sofrimentos. Naquele chão, no entanto, a Igreja ainda hoje se apoia; de lá, o Evangelho se propaga até os confins da terra.

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas colunas

Quem dizem os homens que eu sou?

Neste tempo de pandemia e isolamento, as redes sociais vêm ganhando maior espaço na vida e no cotidiano das pessoas. Algumas pessoas...

O futuro da humanidade

O livro do Gênesis, em seu primeiro capítulo, faz uma construção teológica muito bonita sobre a criação do Universo: “No princípio, Deus...

A força da comunidade

Passado um semestre praticamente inteiro de convivência com o novo coronavírus e as mudanças na dinâmica social impostas pela pandemia em todo...

Novo Diretório para a Catequese

Há vários anos, o Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização vinha trabalhando na elaboração de um novo Diretório Geral para...

Newsletter